segunda-feira, 14 de julho de 2008

Life Or Something Like It

E tu, vives ou passas os dias aqui na Terra?

Pois bem, isso a que muitos chamam destino, rumo de vida...ou outra expressão que lhe queiram dar para mim não é mais do que uma simples ilusão...uma pequena justificação para quando algo não corre muito bem; nessa altura dizemos... é o destino. Não posso aceitar isso...como é que é possível que nós sejamos simples marionetas nas "mãos" desse tal Destino...como podemos compreender que por exemplo à última da hora eu decida ver o filme "Cidade dos Anjos" e não os "Anjos de Charlie"...isso seria possível estar escrito, estar destinado. Claro que não!Já sei devemos respeitar as opiniões dos outros...sim claro!Mas...
Meditemos no assunto...
Todos os dias conhecemos pessoas fantásticas, misteriosas, simpáticas, carrancudas, insultuosas...enfim, todos os dias contactamos com uma enorme variedade de seres humanos. Desses apenas alguns deles acabam por entra na nossa roda de pessoas com quem nos damos bem; dentro desses apenas alguns entram na roda de amigos. Perante isto como é que podemos dizer que é o destino que nos escolhe os amigos, se por vezes aqueles que aparentemente o são nos acabam por trair a confiança e a amizade que tínhamos por eles...será o destino também responsável por essa traição! Claro que não...
Se o destino existisse então no mundo não eram precisos advogados, pois se o destino era o responsável pelos nossos actos como poderíamos responder por eles e ser condenados?

A expressão que deu origem a esta dissertação surge noutro contexto...o contexto da vida e da morte; da escolha ou da casualidade dessa ocorrência! A morte, conhecida como termo da vida, surge à nossa frente de muitas a variadas maneiras...podemos até falar na morte física, inevitável e ponto terminus da nossa vida; na morte como ponto de viragem na nossa vida...como mudança de rumo. Destino e Morte aparecem muitas vezes associados e interligados...custa-nos muito aceitar o fim de uma vida, e apenas nessa altura acabamos por lhe dar o devido valor. É fácil no nosso dia-a-dia por vezes esquecermos os outros, olharmos apenas para o nosso umbigo, mas quando alguém termina o seu ciclo entre nós, esquecemos tudo, as brigas, os insultos e essa pessoa acaba por ser um "Anjo"; a isto eu chamo hipocrisia e cinismo.

Destino e Morte à parte, cada dia que vivemos deve ser aproveitado ao máximo e desfrutado como se fosse o nosso último...com tudo o que isso acarreta... desde ajudarmos quem nos é mais próximo e amamos ou rejubilando com tudo o que a vida nos oferece. Claro depois temos que vencer a nossa personalidade...pois nem sempre desfrutamos da pelnitude da vida porque temos receio de muitas vezes ouvirmos um NÃO, de termos uma rejeição; A vida acaba por ser o que de mais belo nós recebemos...aproveitemos e digamos eu VIVO não passeio apenas pela Terra.

Sem comentários: