quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

Cheguei aqui...e agora...


Todas as viagens acabam por ter um fim...
Nesta... bem nesta tive a recuperação de algo muito importante...
O restabelecimento do meu ser... e a fortificação do meu próprio coração...
Por tudo isso obrigado! Sim, a ti agradeço tudo isso... pois foi graças a ti!...

Eis-me aqui... de novo junto ao precipício da vida...
Desta vez é diferente... naturalmente não estou a sorrir...
Mas também não verto água do mar dos olhos que em tempos te contemplaram!...
Lamento e sofro uma perda... a perda de alguém que nunca chegou a ser meu verdadeiramente...

De novo junto ao abismo...as mesmas opções pela frente...
Salto rumo ao desconhecido... ou espero alguém que me salve?!...
A espera destroça o meu coração... e ao mesmo tempo tempera-o!
Prepara-o para enfrentar qualquer uma das decisões.

Caso rume ao desconhecido... nada de novo na vida!
Para sempre te hei-de lembrar... foste um marco muito forte na minha vida...
Caso salte para o abismo...igualmente nada de novo haverá!
Ficarei mergulhado na piscina da tristeza... nadarei no mar da solidão...

Cheguei aqui... e agora... o que fazer?!...
Em tempos jurei nunca mais deixar de ouvir-te...
Mas repara na situação em que me colocaste... porquê?
Porque gostas tanto de sofrer?
Porque buscas o quase impossível?
Gostas de testar a minha resistência?
Sofri e sofro muito com as tuas decisões...
Gosto das tuas escolhas, pois fazem-me reviver...
Coração meu! porque é que há sempre um mas...
Um mas que nos impede de nos realizarmos plenamente!

Para já fico... fico aqui parado... sentado...
Na agonia da decisão a tomar...
Será que verei um sinal que me ajude?!...
Haverá algures um farol que me oriente...
Sinto-me perdido e desamparado quase a mergulhar nas profundezas...
Onde futuramente mais difícil será de ser resgatado!...

2 comentários:

António Luís disse...

Espero que seja apenas pela "literatura", meu caro!...

carmemlucia disse...

Eu vejo este texto,como o mais corajoso ,aonde o poeta abre sua alma.
Desprovindo-se de qualquer orgulho.
Até certo ponto dá a sensação de entrega,um grito de socorro,cansaço?
Talvez não seja bem assim.
Porque tem dois lados no poema:
Desesperança mas com um toque sútil de espera por novos rumos.
Um poema recheado de interrogações,aquele que consegue prender muito a atenção. porque paramos tentando adivinhar,decifrar a mente o coração de quem escreveu.
Isto faz a diferença, deixa o leitor preso ao texto.
Parabéns!!!