segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

Impossível e Infinito...


Anonimamente surgiu um click...
Marcado pelo passado, ergueu as suas defesas...
Amargurado... sofredor... sonhador...
Renunciou o que parecia despontar...

Omitindo o que sentia, tentou ignorar o que nascia!...

Inevitavelmente voltaram a cruzar-se...
Muitos olhares foram trocados...
Posta a descoberto muita curiosidade...
Omitiram um ao outro o que se passava...
Semente virou pequena planta...
Simples curiosidade virou interesse profundo...
Interesse cresceu...
Verdades tiveram que ser assumidas...
Encontros vividos... momentos saboreados...
Limites foram pisados enquanto sentimentos cresciam!...

É impossível! gritaste tu bem alto...

Renunciar aos sentimentos que vivia...
Um passo que nunca queria dar...
Mesmo assim estava decidido...
Afastar-me-ia pelo teu bem e pela tua felicidade...
Renunciaste e não me deixaste concretizar as minhas intenções...

Alegria percorreu-me o corpo, estaria a felicidade ali tão perto?...
Ofuscado por essa essência de felicidade...fiquei cego!

Inevitavelmente ou não... foste tu a afastar-te...
Não percebi porquê... depois de tudo o que foi dito...
Ferido no orgulho e na felicidade...
Imergi... abaixo da limiar do dia-a-dia...
Nuvens de solidão envolveram-me...
Inexplicavelmente ganhei novo alento...
Tudo contra mim... contra nós!
O máximo que alguma vez poderia desejar!...

2 comentários:

carmemlucia disse...

Nem sempre é possivel lutar contra o destino. e o texto vem provar exatamente isto. renunciar o inevitavel,coisa que o personagem não conseguiu fazer , se rendeu ao amor ou sedução, não sei qual seria o sentimento mais correto.
Um poema com um inicio de sensatez, mas como nada é perfeito.
Se entregou a uma relação que parecia complicada.
Fez um texto magnifico, que não precisa de muitas palavras para ser entendido.
Lendo ele é dá para imaginar uma cena de um filme de amor, passando neste momento.
Talvez ache que eu esteja exagerando, mas imaginei um filme neste teu poema.
Que pena que o final foi triste!

António Luís disse...

Meu Caro!
Na linguagem do mar, que é de todos os dias e de todos, porque todos são do mar:
"Há mais marés que marinheiros!"

Bom 2009 e continuação de bons poemas e sentimentos.