quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

Quem sou eu?...



Quem sou eu...

... é em dias como o de hoje que esta pergunta mais me ocorre no pensamento... dias em que olho à minha volta e não te vejo junto a mim... dias em que se abatem sobre mim nuvens muito carregadas e prontas a deixar cair pequenas gotas de líquido salgado!...

Quem sou eu...

... que consigo na vida magoar as pessoas a quem mais amo e proteger as pessoas que nada merecem... que percorro as estradas da vida solitariamente esperando a cada nova paragem a tua entrada na minha vida!...

Quem sou eu...

... altruísta e despreocupado deixo o tempo passar e sem me aperceber vou imergindo para as profundezas da solidão... tristemente vou percebendo a insularidade em que a minha vida se torna!...

Quem sou eu...

... estranho para muitos dos que me rodeiam... obscuro para a maioria dos que me conhecem... e impenetrável para aqueles que tentam entrar em mim!...

Quem sou eu...

... que navegando através das palavras recebo grande alento de alguns afectuosos e dedicados amigos e no dia-a-dia vivo enclausurado na mediocridade da minha vida!...

Quem sou eu...

... que tudo tive na vida e tudo da vida acabei por despejar... que tão difícil sou para mim próprio de perceber e que aos outros nada deixo conhecer!...

Quem sou eu...

... que apenas tu traduzes aquilo que eu sou... que apenas tu inconscientemente mostras e conheces a minha outra face... és o reflexo daquilo que eu sou ou serei eu o reflexo daquilo que tu és!

3 comentários:

António Luís disse...

Muito bem!
Há um pouco de todas as pessoas nas tuas palavras...
...Por vergonha, medo ou algo mais indefinível, fugimos habilmente de todos esses medos e de todas essas perguntas.

carmemlucia disse...

Acho que vai ser sempre assim:
toda vez que vier no teu blog, vou ter uma surpresa,O coração acelera na medida que leio teus poemas deixam a sensação de realismo, como se tudo que está escrito fizesse parte de nossa vida,um pouco de nós mesmo.claro que não somos corajosos de expor nossos proprios fantasmas. Nossos erros um deles tão bem descrito,como soube fazer o Poeta FILIPE.
Magoamos quem amamos e protegemos quem não merece.
Vejo aqui neste texto um desafio tambem.
Decifrar o estranho.
Conhecer o obscuro.
E o maior de todos eles:
Penetrar nesta mente, conhecer todos seus misterios.
Talvez quem leia o texto ache ele triste, Eu não concordo,Ele é o nosso "eu" que na maioria do tempo não paramos e nem queremos saber que somos um pouco do que aqui foi tão bem colocado.
Cruel,melancólico?Talvez
Mas corajoso no que escreveu e sem deixar o seu lado marcante que é a sensibilidade.Não tem como negar ou tentar ocultar este lado romântico que transcede aos olhos de quem lê o que você escreve.
Sou tua fã e você sabe disto.

Cá* disse...

Essa pergunta assombra-me a tempos e nunca procurei ter metade da tua coragem para tentar responder.
Continua ;)