quinta-feira, 30 de abril de 2009

Agressivo...


Meus olhos contemplaram...
Aquilo que muitos nunca verão...
Viram a beleza do teu sorriso...
O brilho do teu olhar...
A luz do teu leve andar...
Tiveram o prazer de vislumbrar
A beleza que nada pode igualar!
Por isso ofereço-te os meus olhos...
Muito viram até a ti descobrirem...
Nada mais querem ver... mais belo irão encontrar!

Minha boca procurou palavras...
Vociferou adjectivos...
Sussurrou versos de amor...
Perdeu-se nas letras... encontrou-se nas palavras...
Aquelas que procuram desenhar-te...
E assim dar-te a conhecer ao mundo!
Palavras não chegam...
E mais nenhuma quero proferir...
Depois de dizer que te amo...
A minha língua te ofereço,
E nada mais irei declarar!

Ofereci-te o que de melhor eu tinha...
Pouco! mas muito sincero...
Sentimentos profundos...
Dedicação e desejo...
Lealdade e honestidade!
Esse amor decidiste matar...
Com ele morri também...
Nasceu aquele que hoje escreve...
Renasceu aquele que em tempos adormeceu...

Agressivo...


Meus olhos contemplaram...
Aquilo que muitos nunca verão...
Viram a beleza do teu sorriso...
O brilho do teu olhar...
A luz do teu leve andar...
Tiveram o prazer de vislumbrar
A beleza que nada pode igualar!
Por isso ofereço-te os meus olhos...
Muito viram até a ti descobrirem...
Nada mais querem ver... mais belo irão encontrar!

Minha boca procurou palavras...
Vociferou adjectivos...
Sussurrou versos de amor...
Perdeu-se nas letras... encontrou-se nas palavras...
Aquelas que procuram desenhar-te...
E assim dar-te a conhecer ao mundo!
Palavras não chegam...
E mais nenhuma quero proferir...
Depois de dizer que te amo...
A minha língua te ofereço,
E nada mais irei declarar!

Ofereci-te o que de melhor eu tinha...
Pouco! mas muito sincero...
Sentimentos profundos...
Dedicação e desejo...
Lealdade e honestidade!
Esse amor decidiste matar...
Com ele morri também...
Nasceu aquele que hoje escreve...
Renasceu aquele que em tempos adormeceu...

terça-feira, 28 de abril de 2009

Viagem...


Chegaste assim suavemente na leveza de uma pluma...
Chegaste por entre brumas de mansinho...
Entre a leveza dos teus passos e o brilho dos teus olhos...
Perdi-me percorrendo o teu corpo com os meus olhos...
Num pequeno passo de mágica despi-te num olhar...
De forma mais rápida que o meu olhar...
Desnudaste o teu corpo...
Os teus seios esculpidos, mais perfeitos que a perfeição...
Atraíram de forma rápida as minhas mãos...
A sua suavidade... que graciosidade ao toque...
Percorri levemente o teu corpo com um toque leve...
A tua pele sentiu-se... o arrepiar da pele mostrou a sensibilidade...
Na elevação dos teus seios irrompeu outra elevação maior!
O desejo surgiu em mim... sentiste isso mesmo...
Leste os meus sinais... adivinhaste o meu pensamento...
A tua boca beijou a minha... os nosso lábios tocaram-se...
Nossas línguas entrelaçaram-se... explorando o interior um do outro!
Interrompeste o beijo... deixando-me de água na boca...
Do beijo nos meus lábios passaste ao meu peito...
Do peito seguiste o teu rumo... eu perdi-me no trajecto...
Fechei os olhos e apenas apreciei a viagem...
Por montes e vales me conduziste...
Levaste-me onde nunca tinha estado e...
Mas uma vez interrompeste essa viagem...
Rodaste o meu corpo com o teu invertendo posição!
Oh sim! percebi as palavras que disseste...
Sem que o silêncio nunca tenhas quebrado!
Era tempo de eu te conduzir numa viagem...
Brinquei por entre montes... mergulhei por vales extenuantes!
Num desses vales me perdi... mas tu seguiste por essa viagem...
Em plena viagem tu contorceste-te...
De forma descontrolada o teu corpo ganhou vida própria...
Sim a minha condução tinha terminado...
Certeza tive quando por fim um leve gemido soltaste...
Os teus lábios secos da ofegante respiração...
Os teus seios hirtos de prazer...
As tuas pupilas dilatadas...
Sim... tinhas lá chegado!

Viagem...


Chegaste assim suavemente na leveza de uma pluma...
Chegaste por entre brumas de mansinho...
Entre a leveza dos teus passos e o brilho dos teus olhos...
Perdi-me percorrendo o teu corpo com os meus olhos...
Num pequeno passo de mágica despi-te num olhar...
De forma mais rápida que o meu olhar...
Desnudaste o teu corpo...
Os teus seios esculpidos, mais perfeitos que a perfeição...
Atraíram de forma rápida as minhas mãos...
A sua suavidade... que graciosidade ao toque...
Percorri levemente o teu corpo com um toque leve...
A tua pele sentiu-se... o arrepiar da pele mostrou a sensibilidade...
Na elevação dos teus seios irrompeu outra elevação maior!
O desejo surgiu em mim... sentiste isso mesmo...
Leste os meus sinais... adivinhaste o meu pensamento...
A tua boca beijou a minha... os nosso lábios tocaram-se...
Nossas línguas entrelaçaram-se... explorando o interior um do outro!
Interrompeste o beijo... deixando-me de água na boca...
Do beijo nos meus lábios passaste ao meu peito...
Do peito seguiste o teu rumo... eu perdi-me no trajecto...
Fechei os olhos e apenas apreciei a viagem...
Por montes e vales me conduziste...
Levaste-me onde nunca tinha estado e...
Mas uma vez interrompeste essa viagem...
Rodaste o meu corpo com o teu invertendo posição!
Oh sim! percebi as palavras que disseste...
Sem que o silêncio nunca tenhas quebrado!
Era tempo de eu te conduzir numa viagem...
Brinquei por entre montes... mergulhei por vales extenuantes!
Num desses vales me perdi... mas tu seguiste por essa viagem...
Em plena viagem tu contorceste-te...
De forma descontrolada o teu corpo ganhou vida própria...
Sim a minha condução tinha terminado...
Certeza tive quando por fim um leve gemido soltaste...
Os teus lábios secos da ofegante respiração...
Os teus seios hirtos de prazer...
As tuas pupilas dilatadas...
Sim... tinhas lá chegado!

domingo, 26 de abril de 2009

Cálice do prazer...

És o meu cálice de prazer...
Aquele onde me deleito...
Onde me banqueteio...
O único onde bebo estas sensações...
Onde o branco vira vermelho...
E o vermelho se torna branco...
Onde a vida ganha prazer...
E o próprio prazer ganha nova vida...
Enche de novo a minha taça...
Deixa-me mergulhar em ti...
Misturemos os nossos corpos...
Onde o meu é teu...
E o teu é meu...
Agita... Agita... o shaker da vida...
E que o outrora teu e meu...
Possa enfim transformar-se...
E encher as nossas taças...
Com o néctar só nosso!


Néctar divino e celestial...
Produzido em cálice tão sagrado...
O prazer da sua génese jamais igualado...
Somos dois e no fim apenas um...
Dois ingredientes... um só prato...
A união suprema na origem desse néctar dos deuses...
Enche de novo a minha taça...
E juntos celebraremos de novo
Ao som do telintar dos nossos cálices do prazer...


Cálice do prazer...

És o meu cálice de prazer...
Aquele onde me deleito...
Onde me banqueteio...
O único onde bebo estas sensações...
Onde o branco vira vermelho...
E o vermelho se torna branco...
Onde a vida ganha prazer...
E o próprio prazer ganha nova vida...
Enche de novo a minha taça...
Deixa-me mergulhar em ti...
Misturemos os nossos corpos...
Onde o meu é teu...
E o teu é meu...
Agita... Agita... o shaker da vida...
E que o outrora teu e meu...
Possa enfim transformar-se...
E encher as nossas taças...
Com o néctar só nosso!


Néctar divino e celestial...
Produzido em cálice tão sagrado...
O prazer da sua génese jamais igualado...
Somos dois e no fim apenas um...
Dois ingredientes... um só prato...
A união suprema na origem desse néctar dos deuses...
Enche de novo a minha taça...
E juntos celebraremos de novo
Ao som do telintar dos nossos cálices do prazer...


sexta-feira, 24 de abril de 2009

Doce mel...

O doce mel dos teus lábios...
Faz-me não parar de os beijar...
Receio contrair diabetes...
De tanto doce tocar e ingerir...
O doce mel dos teus lábios...
Faz colar os meus aos teus...
Finalmente calaste-me...
Sem qualquer palavra fiquei...
O doce mel dos teus lábios...
Derrama-se pelo teu corpo...
Faminto desse mel percorro o fio...
Que se desenha no teu corpo...



O teu corpo é mel onde quero ser a abelha e nele me banhar...
Saciar-me nele até que dele nunca mais me vá libertar...
O teu corpo é mel e o seu brilho atrai o meu olhar....
Cega-me! Beleza alguma quero mais contemplar...
O teu corpo é mel onde me quero saciar e banquetear...
O meu corpo no teu calor e tempero cozinhar...

Doce mel...

O doce mel dos teus lábios...
Faz-me não parar de os beijar...
Receio contrair diabetes...
De tanto doce tocar e ingerir...
O doce mel dos teus lábios...
Faz colar os meus aos teus...
Finalmente calaste-me...
Sem qualquer palavra fiquei...
O doce mel dos teus lábios...
Derrama-se pelo teu corpo...
Faminto desse mel percorro o fio...
Que se desenha no teu corpo...



O teu corpo é mel onde quero ser a abelha e nele me banhar...
Saciar-me nele até que dele nunca mais me vá libertar...
O teu corpo é mel e o seu brilho atrai o meu olhar....
Cega-me! Beleza alguma quero mais contemplar...
O teu corpo é mel onde me quero saciar e banquetear...
O meu corpo no teu calor e tempero cozinhar...

quarta-feira, 22 de abril de 2009

Desistir...

"Difícil não é lutar pelo que mais se quer,

mas sim desistir de quem se ama."


Por mais alta que a montanha seja...
Nada te pode impedir de a escalar...
Com um pouco de confiança...
O topo facilmente irás alcançar...
Por mais fundo que um rio possa ser...
Nada te impede de o atravessar...
Não será a sua forte corrente...
Que a tua fé irá abalar...


Com essa fé e confiança, longe poderás chegar...
No amanhã verás de novo o Sol a brilhar...
E mesmo sem teres que pedir...
Podes em mim depositar os medos que teimas em sentir...


Para ti eu serei uma nuvem acima do próprio céu...
Serei o ombro onde podes vir chorar...
Posso ser aquele que a tua alma quer tocar...
Basta que num leve murmúrio o meu nome ouses chamar...
Serei o teu Anjo... e ao teu lado para sempre ficar...
E quando todos partirem... eu ficarei...
Quando todos se afastarem... eu me aproximarei...
Quando todos gritarem... ao ouvido te segredarei...
As palavras nunca ditas que sempre guardei...

Desistir...

"Difícil não é lutar pelo que mais se quer,

mas sim desistir de quem se ama."


Por mais alta que a montanha seja...
Nada te pode impedir de a escalar...
Com um pouco de confiança...
O topo facilmente irás alcançar...
Por mais fundo que um rio possa ser...
Nada te impede de o atravessar...
Não será a sua forte corrente...
Que a tua fé irá abalar...


Com essa fé e confiança, longe poderás chegar...
No amanhã verás de novo o Sol a brilhar...
E mesmo sem teres que pedir...
Podes em mim depositar os medos que teimas em sentir...


Para ti eu serei uma nuvem acima do próprio céu...
Serei o ombro onde podes vir chorar...
Posso ser aquele que a tua alma quer tocar...
Basta que num leve murmúrio o meu nome ouses chamar...
Serei o teu Anjo... e ao teu lado para sempre ficar...
E quando todos partirem... eu ficarei...
Quando todos se afastarem... eu me aproximarei...
Quando todos gritarem... ao ouvido te segredarei...
As palavras nunca ditas que sempre guardei...

segunda-feira, 20 de abril de 2009

Controlo...



Perder o controlo... e num gesto rápido dar um murro na mesa...

Assumir o controlo... para mais tarde o perder da forma mais irracional....

Tentar controlar... aquilo que não se pode e perder aquilo que se deve...

Perder o controlo... e de forma incontrolada tentar reassumi-lo...

Assumir o controlo... e perder tudo aquilo que não pode ser controlado...

Tentar controlar... e dessa forma apenas errar e nunca saborear...

Perder o controlo... sobre o momento que nunca chegamos a controlar...

Assumir o controlo... do sonho onde tudo pode ser controlado e nada perdido...

Tentar controlar... assumir o controlo... e perder todo o controlo...

Haverá maior essência do que perder aquilo que nunca se pode controlar...
Ou saborear cada momento da perda desse mesmo controlo...

Controlo...



Perder o controlo... e num gesto rápido dar um murro na mesa...

Assumir o controlo... para mais tarde o perder da forma mais irracional....

Tentar controlar... aquilo que não se pode e perder aquilo que se deve...

Perder o controlo... e de forma incontrolada tentar reassumi-lo...

Assumir o controlo... e perder tudo aquilo que não pode ser controlado...

Tentar controlar... e dessa forma apenas errar e nunca saborear...

Perder o controlo... sobre o momento que nunca chegamos a controlar...

Assumir o controlo... do sonho onde tudo pode ser controlado e nada perdido...

Tentar controlar... assumir o controlo... e perder todo o controlo...

Haverá maior essência do que perder aquilo que nunca se pode controlar...
Ou saborear cada momento da perda desse mesmo controlo...

sábado, 18 de abril de 2009

A chorar...


  • A chorar...

... acordei do sonho que jamais queria ver acabar...

  • A chorar...

... fiquei no dia em que destruíste a minha vida, ao sair dela...

  • A chorar...

... passei demasiado tempo da vida...

  • A chorar...

... adormeci demasiadas noites sem te ter junto a mim nos lençóis...

  • A chorar...

... espero um dia poder sorrir no interior...

  • A chorar...

... não estou neste momento nem conto estar no futuro...

A chorar...


  • A chorar...

... acordei do sonho que jamais queria ver acabar...

  • A chorar...

... fiquei no dia em que destruíste a minha vida, ao sair dela...

  • A chorar...

... passei demasiado tempo da vida...

  • A chorar...

... adormeci demasiadas noites sem te ter junto a mim nos lençóis...

  • A chorar...

... espero um dia poder sorrir no interior...

  • A chorar...

... não estou neste momento nem conto estar no futuro...

quinta-feira, 16 de abril de 2009

Os buracos da vida...


Na vida cavamos buracos à nossa volta...
Cavamos por baixo de nós...
Abrimos buracos por vezes muito fundos...
Tão fundos que ficamos neles e não chegamos a ver a luz do dia...
Desses buracos muito fundos é extremamente difícil sair...
Pior que tudo isso... esses buracos começam a ser frágeis...
Ameaçam ruir a cada instante...
E sem darmos por isso... pummmm!
Cai-nos os buraco em cima...
Rodeados daquilo que fomos deitando fora...
Ficamos atolados até ao pescoço...
Por vezes ficamos sem espaço para respirar...
Sim! sei o que digo... já caí num desses buracos!
E tu? nunca terás caído num buraco desses?!...
Hoje saí desse buraco que fui cavando...
Talvez não hoje... mas a verdade é que saí...
Agora deixei os buracos grandes...
Apenas quero cavar buracos pequenos...
Daqueles muito pequenos...
Onde é fácil cair... mas também será mais fácil sair...
Sim... porque mais cedo ou mais tarde também esses podem ruir!...
Cavando buracos mais pequenos...
A segurança será maior... ou pelo menos inspirará mais confiança...
Cada um saberá do buraco ou buracos que vai cavando!...
Cada um acaba por cavar o buraco...
Onde mais cedo ou mais tarde acabarás por cair...
Estarei assim tão errado...
Pensa e deixa a tua ideia...
Comenta...não custa nada...

Os buracos da vida...


Na vida cavamos buracos à nossa volta...
Cavamos por baixo de nós...
Abrimos buracos por vezes muito fundos...
Tão fundos que ficamos neles e não chegamos a ver a luz do dia...
Desses buracos muito fundos é extremamente difícil sair...
Pior que tudo isso... esses buracos começam a ser frágeis...
Ameaçam ruir a cada instante...
E sem darmos por isso... pummmm!
Cai-nos os buraco em cima...
Rodeados daquilo que fomos deitando fora...
Ficamos atolados até ao pescoço...
Por vezes ficamos sem espaço para respirar...
Sim! sei o que digo... já caí num desses buracos!
E tu? nunca terás caído num buraco desses?!...
Hoje saí desse buraco que fui cavando...
Talvez não hoje... mas a verdade é que saí...
Agora deixei os buracos grandes...
Apenas quero cavar buracos pequenos...
Daqueles muito pequenos...
Onde é fácil cair... mas também será mais fácil sair...
Sim... porque mais cedo ou mais tarde também esses podem ruir!...
Cavando buracos mais pequenos...
A segurança será maior... ou pelo menos inspirará mais confiança...
Cada um saberá do buraco ou buracos que vai cavando!...
Cada um acaba por cavar o buraco...
Onde mais cedo ou mais tarde acabarás por cair...
Estarei assim tão errado...
Pensa e deixa a tua ideia...
Comenta...não custa nada...

terça-feira, 14 de abril de 2009

touch my soul...


touch my soul... and you make me smile...

touch my soul... and you make me cry...

touch my soul... and my heart beat for you...

touch my soul... when you leave me! and my heart goes with you...

touch my soul... and let me touch yours soul...

touch my soul... and make me fly... fly so high and so far... make me touch the sky.

touch my soul...


touch my soul... and you make me smile...

touch my soul... and you make me cry...

touch my soul... and my heart beat for you...

touch my soul... when you leave me! and my heart goes with you...

touch my soul... and let me touch yours soul...

touch my soul... and make me fly... fly so high and so far... make me touch the sky.

domingo, 12 de abril de 2009

Por ti e para ti...


As ruínas assombram a nossa essência...
As pontes parecem estreitas demais para passarmos...
Os túneis muito baixos onde nem a agulha pode entrar...
Os dias escuros... muito mais que as noites de lua nova...
Todos passamos por estes locais...
Todos sofremos com os nossos pesadelos... com os nossos medos...
Sofremos ainda nos sonhos que não realizamos...
Nos amores que não vivemos...
No sofrimento do amor que termina....
A vida parece um enorme vaso...
Vazio e partido em mil pedaços...
O que fazer...?!
O canto mais perto parece um bom refúgio...
O quarto a nossa maior fortaleza...
O isolamento o nosso melhor aliado!
Todos já pensámos assim...
Quando as coisas se complicam...
Todos pensamos assim...
Ficamos distantes... afastamos os outros...
Escondemos o nosso rosto mesmo daqueles que nos amam...
Dia após dia ficamos mais sós...
Pensamentos voam na nossa cabeça...
Porquê a mim?...
Será que mereço isto?...
Porque é que isto não acaba?!
Ideias ainda piores invadem a nossa cabeça...
Somos fortes e não precisamos de ninguém...
Não podia concordar mais...
Somos fortes!SIM... és FORTE!
A nossa força não está é apenas dentro de nós...
A força vem dos outros e vive no nosso interior...
Somos fortes e temos força quando...
Somos amados e respeitados...
Somos felizes...
Quando estamos tristes... parece que se acabou a nossa força...
Temos que recarregar... deixemos aqueles que nos amam ajudar...
Nos momentos de maiores fraquezas façamos à nossa volta uma muralha...
Os nossos amigos, familiares... aqueles que nos amam...
São blocos preciosos da nossa fortaleza...
São a nossa força e a nossa resistência...
São as novas pontes e túneis...
São eles que nos ligam ao mundo...
O caminho pode parecer estreito...
Pode parecer haver nevoeiro...
Pode parecer não haver saída...
Enquanto a luz brilhar...SÊ FELIZ!
E mesmo quando te sentires triste...
Deixa que alguém te faça FELIZ...
Abraça a vida e deixa que a vida te possa abraçar a ti...
SÊ FELIZ e deixa que te façam FELIZ...
ÉS FORTE e os amigos são a tua FORÇA!

Por ti e para ti...


As ruínas assombram a nossa essência...
As pontes parecem estreitas demais para passarmos...
Os túneis muito baixos onde nem a agulha pode entrar...
Os dias escuros... muito mais que as noites de lua nova...
Todos passamos por estes locais...
Todos sofremos com os nossos pesadelos... com os nossos medos...
Sofremos ainda nos sonhos que não realizamos...
Nos amores que não vivemos...
No sofrimento do amor que termina....
A vida parece um enorme vaso...
Vazio e partido em mil pedaços...
O que fazer...?!
O canto mais perto parece um bom refúgio...
O quarto a nossa maior fortaleza...
O isolamento o nosso melhor aliado!
Todos já pensámos assim...
Quando as coisas se complicam...
Todos pensamos assim...
Ficamos distantes... afastamos os outros...
Escondemos o nosso rosto mesmo daqueles que nos amam...
Dia após dia ficamos mais sós...
Pensamentos voam na nossa cabeça...
Porquê a mim?...
Será que mereço isto?...
Porque é que isto não acaba?!
Ideias ainda piores invadem a nossa cabeça...
Somos fortes e não precisamos de ninguém...
Não podia concordar mais...
Somos fortes!SIM... és FORTE!
A nossa força não está é apenas dentro de nós...
A força vem dos outros e vive no nosso interior...
Somos fortes e temos força quando...
Somos amados e respeitados...
Somos felizes...
Quando estamos tristes... parece que se acabou a nossa força...
Temos que recarregar... deixemos aqueles que nos amam ajudar...
Nos momentos de maiores fraquezas façamos à nossa volta uma muralha...
Os nossos amigos, familiares... aqueles que nos amam...
São blocos preciosos da nossa fortaleza...
São a nossa força e a nossa resistência...
São as novas pontes e túneis...
São eles que nos ligam ao mundo...
O caminho pode parecer estreito...
Pode parecer haver nevoeiro...
Pode parecer não haver saída...
Enquanto a luz brilhar...SÊ FELIZ!
E mesmo quando te sentires triste...
Deixa que alguém te faça FELIZ...
Abraça a vida e deixa que a vida te possa abraçar a ti...
SÊ FELIZ e deixa que te façam FELIZ...
ÉS FORTE e os amigos são a tua FORÇA!

sexta-feira, 10 de abril de 2009

Beija-me...




Beija-me docemente como só tu sabes beijar...
Beija-me ferozmente como só tu o podes fazer...
Beija-me loucamente como o desejamos fazer...
Beija-me intensamente como se não houvesse amanhã...
Beija-me atrevidamente como só tu sabes onde...
Beija-me carinhosamente como só tu o vais fazer...
Beija-me desenfreadamente como se estivesses atrasada...
Beija-me agressivamente como só tu sabes morder...
Beija-me apaixonadamente como só tu sabes amar...
Beija-me amorosamente como só o amor o pode fazer...
Beija-me e faz-me desejar nunca deixar de te beijar....
Beija-me e dá-me asas para poder voar...
Beija-me... beija-me simplesmente porque ambos o desejamos...
Beija-me!

Beija-me...




Beija-me docemente como só tu sabes beijar...
Beija-me ferozmente como só tu o podes fazer...
Beija-me loucamente como o desejamos fazer...
Beija-me intensamente como se não houvesse amanhã...
Beija-me atrevidamente como só tu sabes onde...
Beija-me carinhosamente como só tu o vais fazer...
Beija-me desenfreadamente como se estivesses atrasada...
Beija-me agressivamente como só tu sabes morder...
Beija-me apaixonadamente como só tu sabes amar...
Beija-me amorosamente como só o amor o pode fazer...
Beija-me e faz-me desejar nunca deixar de te beijar....
Beija-me e dá-me asas para poder voar...
Beija-me... beija-me simplesmente porque ambos o desejamos...
Beija-me!