terça-feira, 28 de abril de 2009

Viagem...


Chegaste assim suavemente na leveza de uma pluma...
Chegaste por entre brumas de mansinho...
Entre a leveza dos teus passos e o brilho dos teus olhos...
Perdi-me percorrendo o teu corpo com os meus olhos...
Num pequeno passo de mágica despi-te num olhar...
De forma mais rápida que o meu olhar...
Desnudaste o teu corpo...
Os teus seios esculpidos, mais perfeitos que a perfeição...
Atraíram de forma rápida as minhas mãos...
A sua suavidade... que graciosidade ao toque...
Percorri levemente o teu corpo com um toque leve...
A tua pele sentiu-se... o arrepiar da pele mostrou a sensibilidade...
Na elevação dos teus seios irrompeu outra elevação maior!
O desejo surgiu em mim... sentiste isso mesmo...
Leste os meus sinais... adivinhaste o meu pensamento...
A tua boca beijou a minha... os nosso lábios tocaram-se...
Nossas línguas entrelaçaram-se... explorando o interior um do outro!
Interrompeste o beijo... deixando-me de água na boca...
Do beijo nos meus lábios passaste ao meu peito...
Do peito seguiste o teu rumo... eu perdi-me no trajecto...
Fechei os olhos e apenas apreciei a viagem...
Por montes e vales me conduziste...
Levaste-me onde nunca tinha estado e...
Mas uma vez interrompeste essa viagem...
Rodaste o meu corpo com o teu invertendo posição!
Oh sim! percebi as palavras que disseste...
Sem que o silêncio nunca tenhas quebrado!
Era tempo de eu te conduzir numa viagem...
Brinquei por entre montes... mergulhei por vales extenuantes!
Num desses vales me perdi... mas tu seguiste por essa viagem...
Em plena viagem tu contorceste-te...
De forma descontrolada o teu corpo ganhou vida própria...
Sim a minha condução tinha terminado...
Certeza tive quando por fim um leve gemido soltaste...
Os teus lábios secos da ofegante respiração...
Os teus seios hirtos de prazer...
As tuas pupilas dilatadas...
Sim... tinhas lá chegado!

4 comentários:

António Luís disse...

Não se comenta um texto destes!
Ou então comenta-se não comentando, embora comentar um texto destes seja dificl de comentar, mesmo que, por fim, se opte por não comentar, porque simplesmente não se deve comentar o que não deve ser comentado, por mais que se queira comentar!

Caroteno disse...

Então respondendo ao comentário do que não pode ser comentado também ficará bem agradecer o que não pode ser agradecido pois se não foi comentado não tem como ser apreciado e agradecido!

Um abraço [abc]

carmemlucia disse...

Que sublime e sedutor ao mesmo tempo este modo como foi descrito
o encontro. o ato sexual propriamente dito. Neste texto conseguimos imaginar a cena do extase do momento,mas de uma maneira que não causa contrangimento. Pelo contrário ele até deixa quem lê sem fôlego!!!!
Hum.....imaginar o imaginável.
Oh..... doce delirio!!!

Caroteno disse...

Sem fôlego e sem palavras para tão grande elogio!...

Brigada miguita...
;)