quinta-feira, 28 de maio de 2009

A Noite Cai...


A noite cai...
E eu penso em ti, em mim, em nós!
A noite cai...
E eu caio em mim a sós!
A tua ausência dói...
Como a bala que trespassa o peito nu e aberto!
Como quem chega a sua casa...
E vê alguém do lado seu da cama!

A noite cai...
E eu penso no que fui, no que foste, no que fomos!
A noite cai...
E eu procuro-te na escuridão da noite!
A tua ausência dói...
Como quem vê partir quem lhe é querido...

A noite cai...
E eu mergulho nos braços de ti noite!
A noite cai...
E eu aterro mais uma vez a sós!
A tua ausência mata...
Como a morte mais lenta e dolorosa!

2 comentários:

carmemlucia disse...

O que comentar deste poema?
Ele já diz tudo!!
A dor da ausência faz doer demais.
A solidão da noite é como você descreveu: uma morte lenta e dolorosa.

Caroteno disse...

Miguita... não pode ser assim...toca a animar e a arrebitar!!! nada de tristezas ou pensamentos negativos...

O pensamento positivo atrai energias positivas, por isso sempre a sorrir miguita!