sexta-feira, 31 de julho de 2009

Gostava de ser...



Gostava de ser...
... um ilusionista ...
... para o tempo e o espaço desaparecer...

Gostava de ser...
...um ecologista exótico...
...sem perder de vista o nosso perfil...

Gostava de ser...
...um mago...
...e transportar-me para junto a ti...

Gostava de ser...
...um médico...
... e buscar a causa deste sorriso permanente...

Gostava de ser...
...um poeta...
...e ilustrar um belo poema de amor...

Gostava de ser...
...um anjo...
...para nas minhas asas te poder levar.

Gostava de ser...



Gostava de ser...
... um ilusionista ...
... para o tempo e o espaço desaparecer...

Gostava de ser...
...um ecologista exótico...
...sem perder de vista o nosso perfil...

Gostava de ser...
...um mago...
...e transportar-me para junto a ti...

Gostava de ser...
...um médico...
... e buscar a causa deste sorriso permanente...

Gostava de ser...
...um poeta...
...e ilustrar um belo poema de amor...

Gostava de ser...
...um anjo...
...para nas minhas asas te poder levar.

quarta-feira, 29 de julho de 2009

Eu só quero...


Eu só quero acordar e ver um mundo colorido...
Um mundo onde não tenha medo das cores...
Um mundo onde o sol amarelo brilhe sempre no alto dos céus...
Eu só quero dar cambalhotas no ar...
Sentir a leveza deste corpo...
Sentir a leveza deste amor...
Eu só quero fazer amor contigo...
Consumar o nosso amor...
E assim trazer o universo no peito...
E não ter medo de ir encontrar as palavras...
Lá no peito aberto até mais não poder ser...
Eu só quero poder gritar ao mundo...
Que eu sou teu e tu és e serás sempre minha.

Eu só quero...


Eu só quero acordar e ver um mundo colorido...
Um mundo onde não tenha medo das cores...
Um mundo onde o sol amarelo brilhe sempre no alto dos céus...
Eu só quero dar cambalhotas no ar...
Sentir a leveza deste corpo...
Sentir a leveza deste amor...
Eu só quero fazer amor contigo...
Consumar o nosso amor...
E assim trazer o universo no peito...
E não ter medo de ir encontrar as palavras...
Lá no peito aberto até mais não poder ser...
Eu só quero poder gritar ao mundo...
Que eu sou teu e tu és e serás sempre minha.

segunda-feira, 27 de julho de 2009

Água...



Sentei-me nesta rocha onde me encontro...
O seu equilíbrio e a sua segurança...
Amparam a minha fragilidade...
Aos meus pés... a limpidez cristalina...
A tua frescura e encanto me seduzem...
A água corre...
A calma que transmite...
A lucidez que demonstra...
Quero acompanhar-te no teu trajecto...
Seguir no teu leito...
As minhas células querem envolverem-se...
Misturarem-se nas tuas moléculas...
Recebe-me em ti...
Faz-me parte de ti...
Para sempre ficarei no teu leito...

Água...



Sentei-me nesta rocha onde me encontro...
O seu equilíbrio e a sua segurança...
Amparam a minha fragilidade...
Aos meus pés... a limpidez cristalina...
A tua frescura e encanto me seduzem...
A água corre...
A calma que transmite...
A lucidez que demonstra...
Quero acompanhar-te no teu trajecto...
Seguir no teu leito...
As minhas células querem envolverem-se...
Misturarem-se nas tuas moléculas...
Recebe-me em ti...
Faz-me parte de ti...
Para sempre ficarei no teu leito...

sábado, 25 de julho de 2009

Fogo...

Amor é fogo que arde sem se ver...

O fogo é calor... é paixão...
É o ardente desejo de poder colar os meus lábios aos teus...
O anseio de ver os nossos corpos exporem-se...
Deixando a volatilidade da paixão assumir o controlo...
A incerteza da racionalidade...
O acelerar do coração ao ver o teu rosto...
Oh fogo!... consome todo o meu ser...
Para que a fénix da minha musa me dê de novo a vida...
Vem aquecer o meu peito...
Derrete-me o olhar contemplar a tua beleza...
Explode o meu coração de ouvir a tua voz...
Ai fogo... o amor é mesmo fogo...
Mas é um fogo que se vê arder...
É um fogo que se sente no ardor do desejo...
Nas palavras que não se conseguem dizer...
Nos olhares cúmplices que são trocados...
Vem fogo consumir este corpo com o teu amor!

Fogo...

Amor é fogo que arde sem se ver...

O fogo é calor... é paixão...
É o ardente desejo de poder colar os meus lábios aos teus...
O anseio de ver os nossos corpos exporem-se...
Deixando a volatilidade da paixão assumir o controlo...
A incerteza da racionalidade...
O acelerar do coração ao ver o teu rosto...
Oh fogo!... consome todo o meu ser...
Para que a fénix da minha musa me dê de novo a vida...
Vem aquecer o meu peito...
Derrete-me o olhar contemplar a tua beleza...
Explode o meu coração de ouvir a tua voz...
Ai fogo... o amor é mesmo fogo...
Mas é um fogo que se vê arder...
É um fogo que se sente no ardor do desejo...
Nas palavras que não se conseguem dizer...
Nos olhares cúmplices que são trocados...
Vem fogo consumir este corpo com o teu amor!

quinta-feira, 23 de julho de 2009

Ar...



O ar é poder...
Envolve-nos na sua leveza...
Abraça-nos quando estamos sós...
A sua frescura reconforta-nos...
É um misto de benefícios...
É uma mistura na sua composição...
Um parte protege-nos...
Uma outra dá-nos vida...
No seio dele podemos voar...
Com asas próprias ou em asas alheias...
Por vezes é incómodo... agita-nos...
Faz-nos pensar na forma de nos segurarmos...
O ar é fortaleza... refúgio... e força de ataque...
Protege-nos e mantém-nos vivos...
Agita-nos e se formos fracos...
Podemos quebrar como o arbusto mais frágil...
O ar acarinha-nos com o seu nevoeiro...

Ar...



O ar é poder...
Envolve-nos na sua leveza...
Abraça-nos quando estamos sós...
A sua frescura reconforta-nos...
É um misto de benefícios...
É uma mistura na sua composição...
Um parte protege-nos...
Uma outra dá-nos vida...
No seio dele podemos voar...
Com asas próprias ou em asas alheias...
Por vezes é incómodo... agita-nos...
Faz-nos pensar na forma de nos segurarmos...
O ar é fortaleza... refúgio... e força de ataque...
Protege-nos e mantém-nos vivos...
Agita-nos e se formos fracos...
Podemos quebrar como o arbusto mais frágil...
O ar acarinha-nos com o seu nevoeiro...

terça-feira, 21 de julho de 2009

Terra...


Do nascemos...
Ao voltaremos...
Na solidez da terra vivemos...
Pela terra viajamos...
Na terra amamos...
E segurança buscamos...
A terra é forte...
Tem sul e tem norte...
A estabilidade é fruto da sorte...
Na terra vivemos a esperança...
Mantemos sempre a perseverança
E apenas assim alcançamos a confiança...

Terra...


Do nascemos...
Ao voltaremos...
Na solidez da terra vivemos...
Pela terra viajamos...
Na terra amamos...
E segurança buscamos...
A terra é forte...
Tem sul e tem norte...
A estabilidade é fruto da sorte...
Na terra vivemos a esperança...
Mantemos sempre a perseverança
E apenas assim alcançamos a confiança...

domingo, 19 de julho de 2009

O poder dos Elementos...


Terra...

A solidez e segurança... a estabilidade e confiança...


Ar...

A leveza e frescura... a protecção e a vida...


Fogo...

O calor e volatilidade... a paixão e a incerteza...


Água...

O equilíbrio e limpidez... a lucidez e a calma...

O poder dos Elementos...


Terra...

A solidez e segurança... a estabilidade e confiança...


Ar...

A leveza e frescura... a protecção e a vida...


Fogo...

O calor e volatilidade... a paixão e a incerteza...


Água...

O equilíbrio e limpidez... a lucidez e a calma...

sexta-feira, 17 de julho de 2009

Falei...


E quando falamos?!...
As palavras ditas pelo vento...
Os vocábulos repletos de sentimento...
As sensações que provocam...
Os sonhos que despertam...
Falar... a melhor invenção de todos os tempos...
Pois sem falar...
Ficaria sem poder exteriorizar...
E assim num muito breve momento...
Nas poucas palavras expressei...
Aquilo que muito vivi...
O muito amor que me preenche...
As muitas saudades sentidas...
E o muito de ti que me mim corre!...

Falei...


E quando falamos?!...
As palavras ditas pelo vento...
Os vocábulos repletos de sentimento...
As sensações que provocam...
Os sonhos que despertam...
Falar... a melhor invenção de todos os tempos...
Pois sem falar...
Ficaria sem poder exteriorizar...
E assim num muito breve momento...
Nas poucas palavras expressei...
Aquilo que muito vivi...
O muito amor que me preenche...
As muitas saudades sentidas...
E o muito de ti que me mim corre!...

quarta-feira, 15 de julho de 2009

Ouvi...


No silêncio da paisagem...
Por entre o imenso verde da natureza...
Iniciámos uma bela viagem...
A melodia entoada pelas aves uma surpresa...
Ouvi o murmúrio que saiu dos teus lábios...
Quero ser tua... ao que prontamente respondi...
Eu também quero ser teu
!...
A paz e o sossego das palavra voltou...
Ouvimos o silêncio que se gerou...
Os meus lábios tocaram os teus...
E o seu som... uma delícia aos nossos ouvidos...
Os segredos da tua voz...
A doçura das tuas palavras...
Perguntaste ainda que com receio...
Será sempre assim!?...
Olhei-te nos olhos... sorri...e da minha boca ouviste...
Sim... será sempre assim... para todo o sempre!

Ouvi...


No silêncio da paisagem...
Por entre o imenso verde da natureza...
Iniciámos uma bela viagem...
A melodia entoada pelas aves uma surpresa...
Ouvi o murmúrio que saiu dos teus lábios...
Quero ser tua... ao que prontamente respondi...
Eu também quero ser teu
!...
A paz e o sossego das palavra voltou...
Ouvimos o silêncio que se gerou...
Os meus lábios tocaram os teus...
E o seu som... uma delícia aos nossos ouvidos...
Os segredos da tua voz...
A doçura das tuas palavras...
Perguntaste ainda que com receio...
Será sempre assim!?...
Olhei-te nos olhos... sorri...e da minha boca ouviste...
Sim... será sempre assim... para todo o sempre!

segunda-feira, 13 de julho de 2009

Tacteei...


Tacteei-te...
As minhas mãos percorreram o teu corpo...
Cada curva... cada poro...
Locais visitei onde te contorceste...
Zonas toquei que leves gemidos ouvi...
Fechei então os olhos...
Com a mão suave e aberta...li o teu rosto...
E desenhei-o...
Estampei a sua imagem e gravei-a na palma da minha mão...
Dessa leitura de tão grande profundidade...
Fiz uma pintura...
O teu rosto no meu coração...

Tacteei...


Tacteei-te...
As minhas mãos percorreram o teu corpo...
Cada curva... cada poro...
Locais visitei onde te contorceste...
Zonas toquei que leves gemidos ouvi...
Fechei então os olhos...
Com a mão suave e aberta...li o teu rosto...
E desenhei-o...
Estampei a sua imagem e gravei-a na palma da minha mão...
Dessa leitura de tão grande profundidade...
Fiz uma pintura...
O teu rosto no meu coração...

sábado, 11 de julho de 2009

Cheirei...



Abracei-te...
Os meus braços pegaram na tua cintura...
Um pela direita outro pela esquerda...
Encontraram-me no centro do teu corpo...
Cheirei...
Aquele doce aroma da tua pele...
Mais quente que o sol...
Mais perfumado que a mais cheirosa das flores...
A essência do teu corpo encheu o meu peito...
Inalei um néctar de vida...
O aroma da felicidade...
Abraçou-me...evolveu-me...
Senti-me flutuar...
Fechei os olhos e comigo voavas...
Fecho agora os olhos e vejo o teu rosto...
Deste-me o Bilhete da tua Identidade...
Deste-te a mim e eu acolhi-te...
Registei o teu cheiro no meu interior...
A ele me abraço quando não estou contigo!...
E tu captaste-me o meu cheiro?!...

Cheirei...



Abracei-te...
Os meus braços pegaram na tua cintura...
Um pela direita outro pela esquerda...
Encontraram-me no centro do teu corpo...
Cheirei...
Aquele doce aroma da tua pele...
Mais quente que o sol...
Mais perfumado que a mais cheirosa das flores...
A essência do teu corpo encheu o meu peito...
Inalei um néctar de vida...
O aroma da felicidade...
Abraçou-me...evolveu-me...
Senti-me flutuar...
Fechei os olhos e comigo voavas...
Fecho agora os olhos e vejo o teu rosto...
Deste-me o Bilhete da tua Identidade...
Deste-te a mim e eu acolhi-te...
Registei o teu cheiro no meu interior...
A ele me abraço quando não estou contigo!...
E tu captaste-me o meu cheiro?!...

quinta-feira, 9 de julho de 2009

Vi...


Abri os olhos...
Por entre a escuridão da noite...
O breu rodeava os rostos da multidão...
Holofotes tentavam fazer brilhar vários rostos...
Ou as lâmpadas estavam à partida fundidas...
Ou brilhavam muito pouco...
Vi a luz...
Reconheci o brilho radiante...
Não era o Sol... mas sim um SOL...
A tua luz cegou-me...
Por entre a multidão vaguei até de encontrar...
E uma vez perante ti... pude enfim dizer...
És sol da minha vida...
Abri os olhos e VI...
Vi o que sempre procurei ver...
Estava tão nítido...
Esse caminho de felicidade...
Tão naturalmente desenhado e marcado na estrada da vida!


Vi...


Abri os olhos...
Por entre a escuridão da noite...
O breu rodeava os rostos da multidão...
Holofotes tentavam fazer brilhar vários rostos...
Ou as lâmpadas estavam à partida fundidas...
Ou brilhavam muito pouco...
Vi a luz...
Reconheci o brilho radiante...
Não era o Sol... mas sim um SOL...
A tua luz cegou-me...
Por entre a multidão vaguei até de encontrar...
E uma vez perante ti... pude enfim dizer...
És sol da minha vida...
Abri os olhos e VI...
Vi o que sempre procurei ver...
Estava tão nítido...
Esse caminho de felicidade...
Tão naturalmente desenhado e marcado na estrada da vida!


terça-feira, 7 de julho de 2009

O Poder dos Sentidos...


Vi...

Abri os olhos e vi a luz... o sol da minha vida...

Cheirei...

Abracei e cheirei o aroma da felicidade...

Tacteei...

Tacteei e desenhei o teu rosto no meu coração...

Ouvi...

No silêncio da paisagem ouvi o murmúrio e os segredos da tua voz...

Falei...

E nas poucas palavras expressei as muitas saudades sentidas...

O Poder dos Sentidos...


Vi...

Abri os olhos e vi a luz... o sol da minha vida...

Cheirei...

Abracei e cheirei o aroma da felicidade...

Tacteei...

Tacteei e desenhei o teu rosto no meu coração...

Ouvi...

No silêncio da paisagem ouvi o murmúrio e os segredos da tua voz...

Falei...

E nas poucas palavras expressei as muitas saudades sentidas...

domingo, 5 de julho de 2009

Fica Comigo...



A neblina dissipa-se...
O sol espreita timidamente...
O mar agita-se e enrola-se na areia...
A areia molhada molda-se aos nossos pés...
Lado a lado caminhamos...
Passas-me à frente e fixas o teu olhar...
O meu prende-se no teu... e paro!...
Sobes aos meus pés...
Elevas-te e...
No momento partilhado os nossos lábios tocaram-se...
E no fim... ainda de olhar muito sério e decidido...
Voltaste a prender o meu olhar...
E numa frase disseste...
Fica Comigo Agora...
Não deixes que o vazio se ocupe de mim novamente...
Faz com que estas sensações e emoções...
Sejam parte de mim para sempre...
Abri então os meus lábios...
E num leve sopro de murmúrio...
Vociferaram...
Ficarei Contigo Eternamente...

Fica Comigo...



A neblina dissipa-se...
O sol espreita timidamente...
O mar agita-se e enrola-se na areia...
A areia molhada molda-se aos nossos pés...
Lado a lado caminhamos...
Passas-me à frente e fixas o teu olhar...
O meu prende-se no teu... e paro!...
Sobes aos meus pés...
Elevas-te e...
No momento partilhado os nossos lábios tocaram-se...
E no fim... ainda de olhar muito sério e decidido...
Voltaste a prender o meu olhar...
E numa frase disseste...
Fica Comigo Agora...
Não deixes que o vazio se ocupe de mim novamente...
Faz com que estas sensações e emoções...
Sejam parte de mim para sempre...
Abri então os meus lábios...
E num leve sopro de murmúrio...
Vociferaram...
Ficarei Contigo Eternamente...

sexta-feira, 3 de julho de 2009

Descreve-me...


Descreve-me...
Como posso eu fazê-lo...
A estranha que estranhamente entrou na minha vida...
Abriu-me as portas de entrada na sua...
Abertas de par em par... eu entrei... tu entraste...
Nós fomos entrando...
És a flor de lotus... a preciosidade das preciosidades...
A tua delicadeza... sinceridade...
Tocaram-me... seduziram-me...
És o raio de luz... és o Sol pintado na tela...
És o doce salgado daquele mar...
És o alfa que não quer alcançar o omega...
Tu és... és e sempre serás o doce mistério...
A suavidade da mais bela das pétalas...
O mais procurado dos nectares...
És o segredo que quero revelar...
Tu és... aquilo que mais quero descobrir!...

Descreve-me...


Descreve-me...
Como posso eu fazê-lo...
A estranha que estranhamente entrou na minha vida...
Abriu-me as portas de entrada na sua...
Abertas de par em par... eu entrei... tu entraste...
Nós fomos entrando...
És a flor de lotus... a preciosidade das preciosidades...
A tua delicadeza... sinceridade...
Tocaram-me... seduziram-me...
És o raio de luz... és o Sol pintado na tela...
És o doce salgado daquele mar...
És o alfa que não quer alcançar o omega...
Tu és... és e sempre serás o doce mistério...
A suavidade da mais bela das pétalas...
O mais procurado dos nectares...
És o segredo que quero revelar...
Tu és... aquilo que mais quero descobrir!...

quarta-feira, 1 de julho de 2009

As Pontas...


Se eu te disser que o céu está negro...
E que às vezes tenho medo...
Será que vais acreditar que és tu?!
Sim... és tu que vais trazer a solução...
Por vezes penso que não tens noção...
Que temos pontas soltas por atar!...
Dá-me luta... diz-me onde errei...
Não me deixes voltar a enganar...
Nem me dês razão quando eu não sei...
Quero sempre e em tudo ser sincero...
E de nada voltar a ter medo...
Quero ver a tua luz...
E para sempre afastar o negro céu...
Da solução que me trouxeste...
Quero fazer parte...
Ser solução e não o problema...
Quero dar o nó nessas pontas...
Atar as pontas e formar o fio...
Resistente e inquebrável...
E de pontas outrora soltas...
Nem um sinal sequer .

As Pontas...


Se eu te disser que o céu está negro...
E que às vezes tenho medo...
Será que vais acreditar que és tu?!
Sim... és tu que vais trazer a solução...
Por vezes penso que não tens noção...
Que temos pontas soltas por atar!...
Dá-me luta... diz-me onde errei...
Não me deixes voltar a enganar...
Nem me dês razão quando eu não sei...
Quero sempre e em tudo ser sincero...
E de nada voltar a ter medo...
Quero ver a tua luz...
E para sempre afastar o negro céu...
Da solução que me trouxeste...
Quero fazer parte...
Ser solução e não o problema...
Quero dar o nó nessas pontas...
Atar as pontas e formar o fio...
Resistente e inquebrável...
E de pontas outrora soltas...
Nem um sinal sequer .