sábado, 10 de abril de 2010

Hoje...



Hoje...
É o dia que interessa...
É o hoje que nos marca...
É o hoje que vivemos...
Hoje...
Coloquei os pés no chão...
Vejo-te ao longe a partir...
Como a espuma que o mar deixa na areia...
Vejo desaparecer o branco...
Lentamente sinto o hoje...
Hoje coloco os pés no chão...
Pé ante pé avanço com os pés no chão...
Hoje avanço em direcção a ti...
Será que me vais aceitar?!...
Hoje...
Hoje vivo...
Hoje sinto...
Hoje viajo...
Abre os teus braços para me receberes...
Acolhe tudo o que é parte de mim...
A ti me entrego!...
Hoje...
Hoje escrevo...

6 comentários:

Angela disse...

Ola Caroteno! :)
Este poema está brilhante!
Deixo-te uma duvida existencial! :)
Devemos deixar partir e esquecer, ou viver na esperança?

Um Abraço

Caroteno disse...

Olá Ângela...

Deixar partir sempre... não podemos prender ninguém nem prender-nos por ninguém... esquecer nunca... tudo o que vivemos faz parte de nós, logo não podemos apagar parte do que somos!...

Um abraço.

Angela disse...

Apenas tenho a dizer que tens razao....apenas o medo vai perdurar sempre....

Abraço

Caroteno disse...

O medo é parte de nós... nós somos e alimentamos esse medo, por isso nada na vida é mais fácil que combater e ultrapassar esse medo... a vida e a experiência mostram isso mesmo.

Medos todos temos, mas maior medo é aquele que não nos deixa reconhecer e combater esse medo... os medos existem para serem combatidos e eliminados!...

Abraço

Angela disse...

sim, é verdade.... para ja a pessoa q conheco vai viver na esperança um dia, viver no medo no outro, e kem sabe pelo meio lutar ou entao desistir....

olha como sempre disse, temos é de sorrir para a vida! :)

Abraço

Caroteno disse...

Se não sorrirmos para a vida como é que ela pode sorrir para nós... temos que viver e sorrir sempre para a vida!...

abraço