segunda-feira, 24 de maio de 2010

Vendedor de Sonhos...



Vem ter comigo... vem...
Trás o teu corpo para junto do meu...
Transporta todo esse calor que dele emana...
Vem seduzir-me suavemente...
Usa o meu corpo como tela do teu desejo...
Acariciar-me o pensamento...
Vem levemente como uma pena...
Estimula-me todos os meus sentidos...
Faz-me sentir de novo a vida...
Vem deixar-me com o sangue a fervilhar...
Faz-me ferver dentro deste braseiro de prazer...
Deixa-me banhar nos meus sonhos...
Tomando as águas do amor como calmantes...
Vem... vem meu vendedor de sonhos...
Trás-me o cálice da vida...
Faz-me renascer das cinzas...
Vem depressa não te atrases...
Anseio por ti como a terra árida...
Como o deserto pelas gotas do céu...
Vem rapidamente e não venhas só...
Trás contigo a rosa vermelha...
Suave como a tua doce pele...
Aquela que ilustra a nossa paixão...
Vem e entra no nosso castelo...
A fortaleza que nos protege...
A casa que nos abriga e acolhe...
Vem...
Vem meu vendedor de sonhos...
Faz-me viver esse sonho...
Esse que anuncias...
E que quero bem presente em toda a minha vida!...

4 comentários:

Angel disse...

Que texto lindo... Tenho certeza que qualquer um que ler vai lembrar de alguém, de uma vontade de ter ao lado, bem perto, e fazer do amor não só versos, mas atos também...

Adorei!

Abraço.

Caroteno disse...

Obrigado Angel,

Este é um texto um pouco diferente dos anteriores... sim é um texto apaixonado... apaixonante... ou quem sabe de alguém que vive esse amor... quem o lê sente como ele lhe toca... quem o escreve também... poderá coincidir com o leitor ou não...

Abraço.

Isabel Serrano disse...

Com todos os problemas que nos rodeiam esquecemos que a sensualidade pode fazer parte do que nos rodeia...que o amor pode existir...e que o sexo ainda tem magia!

Lindo texto...faço das palavras de " angel" as minhas...

*

Caroteno disse...

Olá Isabel,

Com as tuas palavras disseste uma grande verdade... muitas vezes esquecemos o mais importante da vida... mas mais uma vez a culpa só é mesmo nossa, pois somos nós que permitimos que possam cair no esquecimento.

Obrigado pelas palavras elogiosas e pela leitura assídua...

*