sexta-feira, 25 de junho de 2010

Metade...


Metade de mim...
Quer subir e vencer esta escada íngreme da vida...
Metade de mim...
Está a meio e pensa que no fundo dela é que está segura...
Metade de mim...
Quer ver-te partir e nunca mais voltar...
Metade de mim...
Quer a ti se agarrar para jamais largar...
Metade de mim...
Vê o copo meio cheio e quer avançar...
Metade de mim...
Vê o copo meio vazio e a esperança a esvoaçar...
Metade de mim...
Vê o mundo colorido lá fora e sorri...
Metade de mim...
Deixa-se cair no mundo monocromático que o rodeia...
Metade de mim...
Sente-se incompleto e quer procurar-te...
Metade de mim... 
Sente-se incompleto e lamenta-se de o teres deixado...
Metade de mim...
Vive dia-a-dia sempre a sonhar...
Metade de mim...
Vive dia-a-dia sem vontade de levantar...
Metade de mim...
Para e pensa...
Não existe metade de mim...
Sou um todo que vive num mundo de dualidades e escolhas...
Metade de mim não existe...
Sou um todo que sofre e por isso sente receio e dor...
Metade de mim não existe...
E por isso como um todo é tempo de erguer e avançar...
Avançar para onde esta estrada me levar!...

Sem comentários: