terça-feira, 12 de julho de 2011

Déjà vu...



Do local onde me encontro...
Os meus olhos não te alcançam...
A distância física é grande...
Quando os meus olhos fecho...
Num ápice sinto a tua presença...
O teu aroma a perfumar as minhas narinas...
A tua brisa inundar os meus pulmões com um sopro de vida...
Sinto até a doçura dos teus lábios...
Aqueles que muitas saudades tenho de beijar...
Sinto o teu toque...
Leve... meigo... atrevido...
Como tal é possível?!...
Como se pode explicar!?...
Esta sensação da tua presença...
O estares presente mesmo quando fisicamente te sinto ausente...
Há coisas que não se explicam...
Sentem-se... vivem-se...
E para alguns com sorte experimentam-se na vida!...
Mais do que as palavras possam expressar...
Este sentimento que o peito me aperta...
Mostra-me que é nele o teu lugar...
Nele fixaste residência permanente...
Vem visitar a tua doce e humilde casa!...
Vem viver o ontem... o hoje...
E juntos sonharemos o futuro...
Que será sempre o nosso presente!...

Sem comentários: