quinta-feira, 31 de maio de 2012

Ferido...



Hoje sento-me aqui...
Olhando o horizonte longínquo...
Enxugo as feridas...
Limpo os arranhões...
Sinto a dor ainda muito presente...
Fruto do passado recente muito doloroso...
Olho de maneira diferente o céu...
Com a certeza do caminho que sigo...
De onde quero e sei que posso estar...
Não esqueço a dor...
Por muito que queira ela está muito presente...
Faz-me lembrar as quedas que tive...
Os erros que cometi...
Ajudam-me a abrir os olhos...
Sei que estou ferido...
Tocado...
Ressentido...
Mas estou vivo e confiante...
Sabendo onde e como lá chegar...
Por isso hoje aqui me sento...
Não para pensar no passado...
Mas para olhar o presente...
Sentir o desejo de viver o futuro!... 

quarta-feira, 30 de maio de 2012

Longe de ti...



Trocámos lágrimas e paixão...
Juntos sentimos os nossos corpos voar...
Como foi que um dia te perdi...
Tento no silêncio ouvir meu coração...
Mergulhado no seu triste soluçar...
Sentindo-se longe de ti...
Longe de ti parece não haver luar nem rosas...
E as noites caem todos os dias mais silenciosas!...
Passo noites completas em branco...
O dia parece mergulhar na profunda escuridão...
Sinto estar longe de ti...
Estando a cair dos sonhos acordado...
E sofrendo com o tempo um mau bocado!...
Longe de ti vou ter que aprender...
As alegrias do meu bom viver...
Deixando de lado o desejo ardente...
Aquecendo a cama agora fria!...
Abrindo asas e bem alto de novo voar...
E no barco dos sonhos de novo balançar!...

terça-feira, 29 de maio de 2012

Guardo-te...




Saí olhando o horizonte…
De olhos postos nas montanhas…
A cada metro percorrido…
Senti as ruas completamente desertas…
Apenas tingidas pela luz entre as árvores…
Habitadas por uma leve brisa…
Que parecia viajar desde o mar…
Ouvia tua voz ...
Contornada num sopro… 
Avançava fingindo não ouvir… 
Senti-me enfeitiçar de tal forma…
Que caí prostrado na margem do rio…
Esperando os teus passos deslizando na água…
Esperei… espero… esperarei a vida inteira…
Eras… és… serás a minha loucura… a minha paixão…
Mas ..
Nos olhos sinto a uma humidade crescente…
Afogo-me no seu conteúdo…
Com pressa de te ouvir…
Com imensa vontade de sentir…
As tuas mãos na minhas…
Ontem e hoje!!...
Guardo-te em mim…
Com medo…
De nunca te esquecer…

segunda-feira, 28 de maio de 2012

Saudade...



A porta fechou-se contigo...
Sem olhar para trás disseste adeus...
A tua essência perfuma o meu ser...
Sinto os teus passos no meu chão...
Mas olho o outro lado da minha cama...
E dela sinto a tua ausência...
Sussurro o teu nome na almofada...
Confidencio a saudade de quem te quer tanto...
Fecho os olhos e quero sentir-te de novo...
Mas olho o outro lado da minha cama...
E nela o vazio impera e governa...
Sinto a saudade no meu peito...
A saudade do brilho do teu sorriso...
Do sabor doce do teu mel...
A saudade de te amar...
E em todos os meus dias contigo sonhar...
Sinto saudade!

domingo, 27 de maio de 2012

(Re) Começo...



Ninguém sabe se irá ser fácil...
Ninguém pode afirmar que será difícil...
Por isso aqui estou...
Não sou uma folha de papel...
Sei para onde quero caminhar...
Onde sei ter o meu lugar...
Agora olha bem no meu olhar...
Conta-me os teus segredos...
Mostra-me os teus medos...
Coloca as tuas dúvidas...
Aqui estou neste (re)começo...
A postos na linha de partida...
Esperando por ti como esperei uma vida...
Vem ao meu encontro...
Quero mostrar-te que esta estrada...
É apenas o início de uma longa jornada...
Onde és tudo o que quero...
Sei que é uma pena estarmos separados...
Por isso vem dar-me a mão...
E juntos avançaremos ao som da batida do coração...
Deixando de lado todos os medos...
Partilhando e vivendo todos os segredos...
Por isso aqui estou...
De olhar posto no horizonte...
Procurando por ti...
Aguardando ver-te junto a mim chegar...
Para que juntos possamos (re)começar!...

Silêncio...



Não sei mais o que sinto...
Quando estás por perto...
Percorro os caminho de um labirinto...
Quando estás por longe...
Sinto o calor do meio do deserto...
Anseio poder saber...
Como uma flor muito delicada...
Não quero ter que perguntar...
Para que não te sintas pressionar...
Tenho a certeza que não te quero perder...
E por isso deixo que o silêncio se faça ouvir...
Aguardo escutar os teus passos...
Leves marcados na brisa que passa...
Posso dizer que sinto saudade...
Que preciso de ti...
Como os peixes que pedem água...
Eu peço para te poder ter de novo...
Preciso de ti e quero-te...
Mas deixo o silêncio falar...
Não sei muito bem o que posso dizer...
Mas também não quero apenas esperar para acontecer...
Por isso deixo o silêncio falar...
Deposito-me nas palavras que a saudade transporta...
Deito-me nas entrelinhas que tu deves preencher...
Não sei mais o que posso dizer...
E por isso deixo o silêncio falar!...

(re) começo...




Ninguém sabe se irá ser fácil...
Ninguém pode afirmar que será difícil...
Por isso aqui estou...
Não sou uma folha de papel...
Sei para onde quero caminhar...
Onde sei ter o meu lugar...
Agora olha bem no meu olhar...
Conta-me os teus segredos...
Mostra-me os teus medos...
Coloca as tuas dúvidas...
Aqui estou neste (re)começo...
A postos na linha de partida...
Esperando por ti como esperei uma vida...
Vem ao meu encontro...
Quero mostrar-te que esta estrada...
É apenas o início de uma longa jornada...
Onde és tudo o que quero...
Sei que é uma pena estarmos separados...
Por isso vem dar-me a mão...
E juntos avançaremos ao som da batida do coração...
Deixando de lado todos os medos...
Partilhando e vivendo todos os segredos...
Por isso aqui estou...
De olhar posto no horizonte...
Procurando por ti...
Aguardando ver-te junto a mim chegar...
Para que juntos possamos (re)começar!...

(re) começo...




Ninguém sabe se irá ser fácil...
Ninguém pode afirmar que será difícil...
Por isso aqui estou...
Não sou uma folha de papel...
Sei para onde quero caminhar...
Onde sei ter o meu lugar...
Agora olha bem no meu olhar...
Conta-me os teus segredos...
Mostra-me os teus medos...
Coloca as tuas dúvidas...
Aqui estou neste (re)começo...
A postos na linha de partida...
Esperando por ti como esperei uma vida...
Vem ao meu encontro...
Quero mostrar-te que esta estrada...
É apenas o início de uma longa jornada...
Onde és tudo o que quero...
Sei que é uma pena estarmos separados...
Por isso vem dar-me a mão...
E juntos avançaremos ao som da batida do coração...
Deixando de lado todos os medos...
Partilhando e vivendo todos os segredos...
Por isso aqui estou...
De olhar posto no horizonte...
Procurando por ti...
Aguardando ver-te junto a mim chegar...
Para que juntos possamos (re)começar!...

Silêncio...




Não sei mais o que sinto...
Quando estás por perto...
Percorro os caminho de um labirinto...
Quando estás por longe...
Sinto o calor do meio do deserto...
Anseio poder saber...
Como uma flor muito delicada...
Não quero ter que perguntar...
Para que não te sintas pressionar...
Tenho a certeza que não te quero perder...
E por isso deixo que o silêncio se faça ouvir...
Aguardo escutar os teus passos...
Leves marcados na brisa que passa...
Posso dizer que sinto saudade...
Que preciso de ti...
Como os peixes que pedem água...
Eu peço para te poder ter de novo...
Preciso de ti e quero-te...
Mas deixo o silêncio falar...
Não sei muito bem o que posso dizer...
Mas também não quero apenas esperar para acontecer...
Por isso deixo o silêncio falar...
Deposito-me nas palavras que a saudade transporta...
Deito-me nas entrelinhas que tu deves preencher...
Não sei mais o que posso dizer...
E por isso deixo o silêncio falar!...

Silêncio...




Não sei mais o que sinto...
Quando estás por perto...
Percorro os caminho de um labirinto...
Quando estás por longe...
Sinto o calor do meio do deserto...
Anseio poder saber...
Como uma flor muito delicada...
Não quero ter que perguntar...
Para que não te sintas pressionar...
Tenho a certeza que não te quero perder...
E por isso deixo que o silêncio se faça ouvir...
Aguardo escutar os teus passos...
Leves marcados na brisa que passa...
Posso dizer que sinto saudade...
Que preciso de ti...
Como os peixes que pedem água...
Eu peço para te poder ter de novo...
Preciso de ti e quero-te...
Mas deixo o silêncio falar...
Não sei muito bem o que posso dizer...
Mas também não quero apenas esperar para acontecer...
Por isso deixo o silêncio falar...
Deposito-me nas palavras que a saudade transporta...
Deito-me nas entrelinhas que tu deves preencher...
Não sei mais o que posso dizer...
E por isso deixo o silêncio falar!...

sábado, 26 de maio de 2012

Olha para mim...



Olha para mim...
Mergulha nas profundezas do meu olhar...
Sente as ondas vigorosas do desejo no meu interior...
Respira a brisa que percorre toda a minha pele...
Olha para mim...
E diz-me se te vez...
Quando for já logo à noite na praia...
Com o sol a derreter-se enfim...
Olha para mim...
Vem fundir-te no nosso olhar...
Olhemos um para o outro...
E um no outro nos depositemos...
Tatuando a nossa essência na pele do outro...
Olha para mim...
E diz-me o que vez?!...

Olha para mim...




Olha para mim...
Mergulha nas profundezas do meu olhar...
Sente as ondas vigorosas do desejo no meu interior...
Respira a brisa que percorre toda a minha pele...
Olha para mim...
E diz-me se te vez...
Quando for já logo à noite na praia...
Com o sol a derreter-se enfim...
Olha para mim...
Vem fundir-te no nosso olhar...
Olhemos um para o outro...
E um no outro nos depositemos...
Tatuando a nossa essência na pele do outro...
Olha para mim...
E diz-me o que vez?!...

Olha para mim...




Olha para mim...
Mergulha nas profundezas do meu olhar...
Sente as ondas vigorosas do desejo no meu interior...
Respira a brisa que percorre toda a minha pele...
Olha para mim...
E diz-me se te vez...
Quando for já logo à noite na praia...
Com o sol a derreter-se enfim...
Olha para mim...
Vem fundir-te no nosso olhar...
Olhemos um para o outro...
E um no outro nos depositemos...
Tatuando a nossa essência na pele do outro...
Olha para mim...
E diz-me o que vez?!...

A voz...




De onde me sento observando o horizonte...
Sinto o salpico dessa vossa guerra...
Ouvindo o bramir das tuas ondas embatendo no monte...
Parecendo desafiar até o mais firme pedaço de terra...

Sinto a brisa que toca o meu rosto...
Como um murmúrio da tua voz contando um segredo...
Muito suave e baixinho como tu sabes que eu gosto...
De maneira a tocar a alma e afastar todo o medo...

Estou longe de ti neste lugar...
Onde tudo ao meu redor me faz sentir saudade...
O teu jeito impetuoso como esta onda do mar...

Alargo o olhar e encontro a serenidade...
De tudo o que de ti me fez aproximar...
E desejo mergulhar novamente nesse mar de felicidade!...

És a voz que busco e procuro ouvir...
Desde de manhã ao amanhecer...
Até ao tardio por-do-sol que há-de vir... 
Mais logo quando o dia for adormecer...

És a voz que todos os dias quero escutar...
E que faz o meu coração mais forte bater...
Junto de ti sinto ser o meu lugar...
Onde quero dormir quando o dia escurecer...

Na voz do vento o teu nome estou a ouvir...
Fecho os olhos para me poder concentrar...
E a tua doce carícia de novo sentir...

Vem de novo quero-te amar...
Grito alto... mais alto que o forte rugir...
Para que mesmo estando longe o possas escutar!...
  

A voz...




De onde me sento observando o horizonte...
Sinto o salpico dessa vossa guerra...
Ouvindo o bramir das tuas ondas embatendo no monte...
Parecendo desafiar até o mais firme pedaço de terra...

Sinto a brisa que toca o meu rosto...
Como um murmúrio da tua voz contando um segredo...
Muito suave e baixinho como tu sabes que eu gosto...
De maneira a tocar a alma e afastar todo o medo...

Estou longe de ti neste lugar...
Onde tudo ao meu redor me faz sentir saudade...
O teu jeito impetuoso como esta onda do mar...

Alargo o olhar e encontro a serenidade...
De tudo o que de ti me fez aproximar...
E desejo mergulhar novamente nesse mar de felicidade!...

És a voz que busco e procuro ouvir...
Desde de manhã ao amanhecer...
Até ao tardio por-do-sol que há-de vir... 
Mais logo quando o dia for adormecer...

És a voz que todos os dias quero escutar...
E que faz o meu coração mais forte bater...
Junto de ti sinto ser o meu lugar...
Onde quero dormir quando o dia escurecer...

Na voz do vento o teu nome estou a ouvir...
Fecho os olhos para me poder concentrar...
E a tua doce carícia de novo sentir...

Vem de novo quero-te amar...
Grito alto... mais alto que o forte rugir...
Para que mesmo estando longe o possas escutar!...
  

A voz...



De onde me sento observando o horizonte...
Sinto o salpico dessa vossa guerra...
Ouvindo o bramir das tuas ondas embatendo no monte...
Parecendo desafiar até o mais firme pedaço de terra...

Sinto a brisa que toca o meu rosto...
Como um murmúrio da tua voz contando um segredo...
Muito suave e baixinho como tu sabes que eu gosto...
De maneira a tocar a alma e afastar todo o medo...

Estou longe de ti neste lugar...
Onde tudo ao meu redor me faz sentir saudade...
O teu jeito impetuoso como esta onda do mar...

Alargo o olhar e encontro a serenidade...
De tudo o que de ti me fez aproximar...
E desejo mergulhar novamente nesse mar de felicidade!...

És a voz que busco e procuro ouvir...
Desde de manhã ao amanhecer...
Até ao tardio por-do-sol que há-de vir... 
Mais logo quando o dia for adormecer...

És a voz que todos os dias quero escutar...
E que faz o meu coração mais forte bater...
Junto de ti sinto ser o meu lugar...
Onde quero dormir quando o dia escurecer...

Na voz do vento o teu nome estou a ouvir...
Fecho os olhos para me poder concentrar...
E a tua doce carícia de novo sentir...

Vem de novo quero-te amar...
Grito alto... mais alto que o forte rugir...
Para que mesmo estando longe o possas escutar!...
  

sexta-feira, 25 de maio de 2012

Imortal...



Por trás destas letras me escondo...
Na esperança de um dia te encontrar...
Neste mundo onde tudo é tão hediondo...
Quero ao alto dos céus poder voar...

No seio destas letras me dou a revelar...
A quem as mensagens escritas saiba ler...
Fecho os olhos e deixo o sonho me aconchegar...
Aguardando o dia em que te irei ver...

Nada mais na vida quero que amar...
Sem procurar o passado ou recear o futuro...
E incondicionalmente me poder entregar...

Quero viver um amor pleno e maduro...
Uma paixão fogosa que me faça sonhar...
A felicidade que ilumine este lugar escuro!...
 

Abertura do novo projecto

O novo projecto vai começar a ganhar forma

eis a sua localização

Imortal

Espero-vos por lá, pois aqui irei deixar de escrever.
Caroteno

Abertura do novo projecto

O novo projecto vai começar a ganhar forma

eis a sua localização

Imortal

Espero-vos por lá, pois aqui irei deixar de escrever.
Caroteno

Imortal...




Por trás destas letras me escondo...
Na esperança de um dia te encontrar...
Neste mundo onde tudo é tão hediondo...
Quero ao alto dos céus poder voar...

No seio destas letras me dou a revelar...
A quem as mensagens escritas saiba ler...
Fecho os olhos e deixo o sonho me aconchegar...
Aguardando o dia em que te irei ver...

Nada mais na vida quero que amar...
Sem procurar o passado ou recear o futuro...
E incondicionalmente me poder entregar...

Quero viver um amor pleno e maduro...
Uma paixão fogosa que me faça sonhar...
A felicidade que ilumine este lugar escuro!...

Imortal...




Por trás destas letras me escondo...
Na esperança de um dia te encontrar...
Neste mundo onde tudo é tão hediondo...
Quero ao alto dos céus poder voar...

No seio destas letras me dou a revelar...
A quem as mensagens escritas saiba ler...
Fecho os olhos e deixo o sonho me aconchegar...
Aguardando o dia em que te irei ver...

Nada mais na vida quero que amar...
Sem procurar o passado ou recear o futuro...
E incondicionalmente me poder entregar...

Quero viver um amor pleno e maduro...
Uma paixão fogosa que me faça sonhar...
A felicidade que ilumine este lugar escuro!...

Quem és tu...




Quem és tu...
Que dia após dia me continuas a fazer levantar de manhã...
Com um sorriso nos lábios e com uma vontade diferente de viver...

Quem és tu...
Que me visitas noite após noite...
Me envolves no manto dos sonhos... 
Levando-me por locais por onde sonho viajar...
Mas que sozinho são impossíveis de alcançar...

Quem és tu...
Que um sorriso teu faz com que o meu coração dispare...
Fique capaz de saltar para fora do meu peito...
Fazendo com que sinta de novo esta alegria e vontade de ser muito feliz...

Quem és tu...
Que torna a água do mar local onde quero navegar...
Que faz o mel o néctar onde me quero banhar...
Que ofusca o brilho da lua cheia...
Que perfuma intensamente a minha vida...

Quem és tu...
Que me fazes desejar o impossível...
Lutar com todas as forças para conseguir chegar até ti...
E assim poder fazer-te finalmente minha...

Quem és tu...
Que me inspiras a falar de sentimentos, expor pensamentos...
Que me fazes abrir o coração e a mente...
Oferecendo-te a chave que nele possas entrar e de ti nada esconder...

Quem és tu...
Que afinal trouxe tanta coisa boa à minha vida...
Parecendo desde sempre fazer parte dela...

Quem és tu...
Que tão pouco conheço... e tanto adoro...
Que quero continuar a descobrir...
Que posso nunca voltar ter... e que tanto me faz desejar...

Quem és tu?