sábado, 30 de junho de 2012

Introspeção...



Mais um dia que passou...
Um turbilhão de pensamentos...
Uma corrente de emoções...
Olho ao espelho olhando para quem sou...
Vejo a vida a passar em todos os momentos...
Procuro dentro de mim a voz das soluções...

Esta vida está longe da perfeição...
Ou serei eu que me afasto dela...
Percorrendo esta estrada...
Onde tudo me mostra dor e desilusão...
Sentindo-me como um barco à vela...
Levando do mar a espuma e a forte bofetada...

Dói! Esta dor real que teima em não desaparecer...
Fecho os olhos e tento dormir...
Querendo entre os sonhos me reencontrar...
Olho-me num frente a frente para me perceber...
Ouvindo dentro de mim tudo o que é sentir...
Encontrando de novo a razão para voar!...

O tempo passa leve... muito levemente...
Eu aqui e tu estás aí!...
Tudo parece estranhamente simples e complicado...
Como tudo aconteceu tão rapidamente...
Numa distancia tão grande que não vi...
Tudo aquilo que em nós estava a ser edificado!...

De todas as pedras que no meu caminho encontrei...
Um castelo irei construir um dia...
Aprendendo o que todas elas tinham para dizer...
Perceber que a resolução que tanto procurei...
Não está muito longe... mas que apenas não a via...
Depois de tanto tropeçar deu enfim para perceber...
Que todas estas pedras que à minha frente se cruzaram...
Foram para me fazer compreender...
E finalmente chegar a uma conclusão...
A resolução dos problemas que existiram...
Não tinham razão de existir ou de ser...
Estando sempre ao alcance da minha própria mão!

sexta-feira, 29 de junho de 2012

Vibrar...



Doces palavras ditas pelo vento...
Que nos meus lábios sabem a encanto!...
São doçura e delicadeza imensa...
De um poder e força intensa...
O teu nome...
O som que é música para os meus ouvidos...
É o grito que me corre na alma...
Quando o teu nome toca os meus lábios...
Todo o corpo estremece e vibra de prazer...
A ânsia de te ter cresce em mim...
O teu nome...
Grito-o bem alto...
Proclamo aos quatro ventos...
Esperando que te levem a viajar...
O teu nome que não ouso pronunciar...
E que levemente quero no meu ouvido escutar!...
Vem junto a mim vociferar...
E sentir todo o meu ser a vibrar!...

quinta-feira, 28 de junho de 2012

(Im)perfeito...




Tenho muitos medos…
Tenho algumas inseguranças…
Tenho marcas profundas na pele…
Tenho cicatrizes que vincam o meu coração…
Não sou perfeito…
Não me querias perfeito…
Pois que será amar…
O acarinhar das imperfeições…
O recolher de todos os meus medos…
E o acalentar das minhas inseguranças…
Serei a perfeita imperfeição…
Ou serei a imperfeita perfeição…
Sou o homem…
E se for aquele a quem queres amar…
Então eu te mostrarei o que é amar…
Te acolherei no meu coração…
Farás a tua morada na minha paixão…
Eu te farei tremer de desejo…
Nos meus imperfeitos excessos…
Evitando todos os olhares profundos e tristes…
Sou um completo imperfeito…
Mas que na perfeição do que é amar…
Quer contigo poder estar!...

quarta-feira, 27 de junho de 2012

Escrever...



Num gesto apressado peguei na pena...
Nesta folha branca onde me deito...
Rabisco palavras soltas...
Livres de nela poderem flutuar...
São leves... quase fogem por entre o branco...
Quero escrever-te... ou escrever-me...
Difícil decisão... ou simples indecisão...
Escrevo... melhor alinho palavras...
A mensagem não flui...
O coração bate mais forte...
O dedos quase deixam cair a pena...
Deixas-me neste estado...
Estado altivo e alterado...
Pensar de nada serve...
A razão foge mais rápido que as próprias palavras...
E tudo começou com um simples Olá...
A primeira palavra que me disseste...
Aquela que ainda hoje ecoa no meu peito...
O início desta película...
A história deste filme...
O guião da felicidade...
Depois... bem... depois desse olá...
Quase tivemos um adeus...
A cegueira ensaiada quase me fez perder-te...
O coração falou... voz forte e muito clara...
É ela... não a deixes partir!...
E por isso hoje...quando me perguntas até quando?...
Eu te respondo instintivamente...
Até sempre...e ainda mais um bocadinho além...

terça-feira, 26 de junho de 2012

Amar...




De que serve poder ter o mundo...
Se nesse mundo tu não estiveres...
De que serve poder mergulhar bem fundo...
Se no fim possas não sobreviveres...

De que vale poder sonhar...
Se não viveres o sonho por medo...
De que vale poderes voar...
Se à terra voltares demasiado cedo...

Como posso eu poder viver...
Sem ao amanhecer um sorriso te dar...
Resta que consiga te enaltecer...
De igual forma como te sinto amar...

segunda-feira, 25 de junho de 2012

Tu...



Tu és a razão...

... para que consiga mergulhar no mais profundo de mim...
ultrapassando o meu fôlego e a minha resistência...
e de lá voltar a emergir regenerado e reforçado...

Tu és a razão...

... de na vida buscar este bem querer e bem viver...
de não ter medo da diferença e de ser diferente...

Tu és a razão...

... o alfa e o omega da minha felicidade...
o olimpo da minha realização pessoal enquanto humano...

Tu és a razão...

... que me faz desligar a razão...
ouvir a voz do coração...
e erguer o corpo outrora inerte do próprio chão!...

Tu és a razão...

... para a ti dedicar estas linhas que escrevo...
para querer vencer todas as barreiras espaciais...
para saber o que da vida realmente quero!...

Tu és a razão...

... que leva a que mesmo no meio de um grande apagão...
consiga ver a luz que sempre brilha e brilhou cá dentro!...

Tu! e só mesmo tu...

... és a razão pela qual vale "lutar" ...
e todos os dragões da vida enfrentar...
pois sei que apenas em ti posso encontrar...
aquela a quem muitos chamam a felicidade difícil de experimentar!...

domingo, 24 de junho de 2012

Esperança...



Deste rugoso e despido lugar...
Vejo hoje um nascer do sol diferente...
O meu olhar vai para além do horizonte...
Tal como a esperança do novo dia a chegar...

Uma luz nova no novo dia a nascer...
Tempo de ser, estar e acreditar...
Que no novo dia posso de novo sonhar...
Mas acima de tudo um novo dia para crescer...

Eu quero essa nova luz poder seguir...
Mesmo sem saber onde me poderá levar...
Sei que deste lugar tenho mesmo que partir...

Deixo que o sol prenda o meu olhar...
E na sua força quero me erguer e ressurgir...
Para erguer as minhas asas e bem alto poder voar!... 

 

sábado, 23 de junho de 2012

Nas nossas mãos...




Tempos e momentos…
Passam nas horas e alegram os pensamentos…
Vividos de alegrias e felicidades…
Outras angústias e ansiedades…
Ou até dores e sofrimentos…
É deles que se faz o dia…
É neles que recordamos a vida!...
Cruzam-se tempos e baralham-se os contratempos…
Pessoas especiais e expressões meramente banais…
Emoções plenas e sentimentos altivos…
Verdades sentidas e sem pressa de tempo vividas…
Respostas fingidas e por vezes mágoas escondidas…
Num ritmo acelerado e por vezes descontrolado…
Ou um pouco devagar e sem pressas de lá chegar…
Contigo a meu lado sei o que é sonhar…
Contigo a meu lado sei o que é poder voar…
Sem ti a meu lado é o desastre…
O ‘tic-tac’ do relógio…
Ecoa nos meus ouvidos e tu não chegas…
O tempo passa numa corrida tresloucada…
Os ponteiros cruzam-se sem sentido…
Trocando o sentido de tudo o que ainda não foi vivido…
Parece que estão perdidos…
Outra vezes estão simplesmente parados…
O tempo passa por nós sem ter hora marcada…
Olho a meu lado e tu não estás comigo…
Sinto-me perdido e desamparado…
Pois a hora passa e tu não estás…
Talvez tenhas decidido partir…
Ou simplesmente voltado atrás…
No tempo de me amar…
São os tempos e os momentos que nos definem…
Eu e tu que marcamos o ritmo…
E num compasso só nosso…
Marcamos o nosso corpo com os nossos momentos!...

sexta-feira, 22 de junho de 2012

Passado...




Aquele que lá longe devia ficar...
O que vezes sem conta entra na nossa memória...
O passado...
Um pequeno filme da nossa vida...
Que observamos vezes sem conta...
Um filme sem novas gravações...
Apenas observável!...
Sofremos com o passado...
Aprendemos com o mesmo...
O passado...
Não é mais que a porta para o futuro...
O novo edifício que se ergue a cada novo dia...
Somos pequenos no passado que já vivemos...
Por vezes prisioneiros...
Outras aprendizes...
Que tipo de passado temos?!...
Que relação temos com ele!?...
O passado de uma pessoa...
A forma como nele se retrata...
São o espelho do nosso interior...
O passado...
A porta do futuro...
A escola onde tudo se aprende...
Onde tudo se vive...
Até que de novo se viva!...

quinta-feira, 21 de junho de 2012

Palavras...



Não tenho palavras para te dizer...
Como és importante para mim...
Como sinto a tua falta quando não estás...
Como quero sempre estar contigo!...
És o meu vício...
A minha perdição de viver!...
És o sol que aquece o meu dia...
Que brilha dentro do meu olhar!...
A lua que ilumina a minha noite...
Fazendo-me dançar debaixo do teu brilho...
O teu brilho é especial...
Quando sais à rua...
De noite as estrelas invejam o teu brilho...
Não tenho palavras para te dizer...
As palavras são apenas parte do que somos...
Do que sentimos e do que vivemos!...
És a minha liberdade...
O meu viver!...

quarta-feira, 20 de junho de 2012

Eu sou...



Eu sou...
... aquele poema inacabado...que nunca ninguém leu!


Eu sou...
... aquele sonho maravilhoso... que nunca ninguém realizou!


Eu sou...
... aquela paixão gostosa... que por medo, alguém um dia sufocou até à morte!


Eu sou...
... aquele amor que alguém ansiava... mas que nunca acabou por chegar!


Eu sou...
... muito mais do que simples palavras... sou alguém que pensa... sente... e que muito observa!


Eu sou...
... no fundo aquilo que tu fazes que eu seja... eu sou tudo e no mesmo segundo eu sou nada!


Eu sou...
... livre... e por isso sou muito mais do que um corpo!


Eu sou...
... aquele que mesmo sorrindo para ti... afoga-se na suas próprias lágrimas!


Eu sou...
... isto tudo... e ao mesmo tempo serei nada... sou prisioneiro de mim próprio...aguardando que tragas as chaves para me libertar!


Eu sou...
... eu fui... eu sou... e eu serei... aquilo que tiver que ser e nunca o que os outros esperam que eu seja!

terça-feira, 19 de junho de 2012

Luz...

 

Viajo...
Percorro esta linha preta...
Balanço nos pequenos sobressaltos...
Observo o meu redor...
Absorvo o verde envolvente...
Puro e magnífico...
Na rádio toca aquela música outrora desejada...
Viajo...
Percorro os trilhos de uma vida...
Onde o mais precioso está por perto...
Guardado entre os braços...
Protegido e protegendo...
Guardo este ponto de luz que em mim habita...
Procurando evitar que algo ou alguém o possa esconder...
Faz parte de mim...
Completa-me...
Dá-me força e vontade de sorrir...
Se podia viver sem esse ponto de luz...
Poder podia mas nunca seria a mesma coisa...
Um ponto de luz que está visível para todos...
Que quer brilhar mais forte...
Somos todos nós feitos de luz...
Ainda que por vezes ela fique escondida dentro de nós...
A felicidade é mais presente em nós quando brilhamos...
E brilhamos quando somos puros e vivemos o presente...
Libertando o passado... 
Não desesperando pelo futuro...
Hoje sei...
Hoje vi...
E viajo...
Procuro ir longe...
Vivendo e mostrando esta luz...
Este ponto de luz que em meus braços guardo!...

segunda-feira, 18 de junho de 2012

Suspenso...



Hoje vi uma chuva de estrelas...
Não estava escuro nem era noite...
Mas elas caiam abundantemente…
Lindas e brilhantes...
Livres e despreocupadas!...
Essa imagem me transportou para um tempo…
Fui para um universo suspenso…
Estava acima de tudo…
Sem receios ou algum medo…
Senti saudade…
Do brilho de toda a felicidade...
De uma vida que sinto suspensa...
Senti uma presença tão intensa…
Amei as estrelas…
E o seu rasto brilhante no alto dos céus…
Fixei o olhar naquela estrela...
Cujo brilho ofuscava todas as outras...
Segui-a com o olhar...
Na esperança de a poder acompanhar...
Mas como não tenho o poder de voar...
Desejo apenas o dia em que ela vai regressar!...
Hoje vi uma chuva de folhas...
E nem no outono estamos...
Ouvi os pássaros chilrear...
E os teus passos na minha direcção caminhar!...
Estarei no céu ou simplesmente a sonhar!?...