quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Mistério...



Tanto do meu ser viveu incerto
Que vivi o ardor tremendo de frio
Refugiei-me na gruta do mistério
Querendo o mundo todo por perto

E tudo quanto sinto, um desacerto
Da alma um fogo sai, arde sem se ver
Agora espero, agora quero viver
O teu corpo num abraço, num aperto

Estando em terra, o céu quero tocar
Numa hora quero todo o momento
Que num segundo não posso encontrar

Se junto a mim alguém vier perguntar
Respondo que não sei, mas suspeito
Que seja porque vos vi, por vos amar

Sem comentários: