quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

Feliz 2015

Bom caríssimos Leitores está a terminar o ano de 2014, pessoalmente será um ano sempre recordado como sendo um ano de grandes contrastes...trouxe boas e grandes alegrias mas também das maiores tristezas... é a vida, recheada de bons e maus momentos. Que o vosso 2015 seja tudo o que desejarem, muita saúde e prosperidade, alegria e sucesso! Grande abraço ou bjinho e até para o ano num cantinho deste nosso Portugal!


domingo, 16 de novembro de 2014

A mística de um instante...



Tudo começa naquele instante
Em que tudo parece desaparecer
Sentimos um clic "insignificante"
E tudo é claro de se poder ver
Na vida diária entramos a correr
Esquecendo o que nos rodeia
Deixando de lado o que nos incendeia
E a paixão começa a esmorecer
Nesse instante ficamos cegos
Deixamos de ver, ouvir e tocar
Confiamos mais nos nossos egos
E a vida deixamos de saborear.
A vida não é fácil, talvez haja razão
Mas não podemos desanimar
Num instante o pular do coração
E a hipótese de a vida nos inebriar
Num instante um alinhamento perfeito
O mundo de novo em sincronia
O coração bate forte no peito
E a vida ganhar nova e plena alegria
Num instante tudo pode mudar
Se deixarmos de a vida sentir
Importante de novo voltar a ouvir
Tocar, ver... e sem dúvida saborear.
Tudo acontece num pequeno instante
Tão simples como aquele momento
Em que voa o teu pensamento
E com ele te perdes no horizonte.



quinta-feira, 6 de novembro de 2014

Obrigado...



Agradece a dança luminosa
Do mundo em teu redor
Esta alegria maravilhosa
Que torna o dia melhor
Agradece aquele instante
Que pela porta entrou
O vislumbre no horizonte
A tempestade que já passou
Ao tempo vai agradecer
A sua matéria inacabada
A promessa não vai esquecer
A certeza da vida renovada.




segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Sonhar...



Indiferente à vida a passar
Ao viver numa constante correria
Assim se pode definir o sonhar
Que alegra cada um e em cada dia
Sonhar não é nem será fantasia
Mas algo mais profundo e maior
Que encontramos na plena alegria
Da luz e essência do nosso interior
Sonhar é olhar bem dentro do olhar
Dele conseguir ouvir a alma a cantar.

Sonhar é deixar apressadamente correr
O fluxo que jorra do nosso coração
Obrigatoriamente sem nunca esquecer
Que cada instante revela uma emoção
Cada segundo vivido com pura paixão
Faz-nos resplandecer e relembrar
Mesmo quando nos leva até ao não
Nunca vamos deixar de amar e sonhar
No sonhar devemos ser e também sentir
O que do nosso interior poderá advir.

Num instante o corpo pareço deixar
E por entre a chuva consigo fugir
Viajando sem destino e sem molhar
O rosto triste mas levemente a sorrir
Sonhar é dar a volta e nunca desistir
De o nosso interior poder realizar
Sem rodeios e sem ter que fingir
Que está tudo bem depois de acabar
O sonhar jamais poderá terminar
Não há uma partida nem onde chegar.


sábado, 12 de julho de 2014

A chave



Do coração da tempestade
Pensei mesmo em desistir
Perderia o sol da liberdade
Sem ele não podia existir.
Dos sonhos não abdicar
Agarra-los com convicção
Soltar as asas e poder voar
Ao ritmo do bater do coração.

Da tempestade veio a bonança
Depois de te ver enfim partir
Da solidão veio a esperança
De no abraço te poder sentir.
Não deixo de ser quem sou
Nem de o amor procurar
Sei que agora tudo acabou
Na paz irei dormir e acordar.

Sinto força no coração a bater
Ainda com feridas para curar
Tempo de lições enfim aprender
Para que não volte a magoar.
Da entrega e amor pleno
Jamais voltarei a prescindir
Só assim viajarei sereno
Hoje e nos dias que hão-de vir.

domingo, 6 de julho de 2014

Viver



Tudo começou com um olá desconhecido
Para a grande viagem poder começar
Uma pergunta, até onde vamos chegar?
No futuro tudo poderá ser respondido.

O dia a dia um mistério para percorrer
Uma estrada reta que ruma ao horizonte
O mais importante é mesmo o presente
Os cruzamentos e o passado para esquecer.

O amanhã será sempre o mais incerto
O condimento que devemos ambicionar
Fazendo a nossa vida sempre melhorar
Para que o outro possamos ter por perto.

E se um dia se tiver que dizer adeus
Lágrimas e saudade vão bem alto falar
Relembram o quanto pudemos viajar
Por entre as ruas dos sonhos teus e meus.

sábado, 28 de junho de 2014

Coração...




Desapareceram todas as lágrimas
A fonte outrora abundante secou
Proibido pensar em coisas mínimas
Ou em coisas que o tempo passou.
Não quero de volta a recordação
Quero a luz que a vida pode dar
As fotos podem ficar pelo chão
Até que o vento as possa levar.
De todos os medos combatidos
Resgato de volta meu coração
Não deixo sonhos esquecidos
Não sequei as lágrimas em vão.
Então neste momento eu irei
Em busca do céu para voar
Desculpa se muito demorei
Prometo para trás não olhar.
Em cada batida do coração
Fixo o olhar neste horizonte
Fecho os olhos e sinto a paixão
O passado e futuro neste presente.

quarta-feira, 25 de junho de 2014

Poema



A voz da alma adormecida
O encanto da brisa do mar
A essência de toda uma vida
Escrita no poder de rimar.
Por entre as cores pintada
Na folha branca renascido
Conta a história inacabada
Do mistério antes adormecido.
Viajo de novo neste poema
Para lá da linha do horizonte
Dando voz ao poder da alma
Vivendo em pleno o presente.
Nas tuas asas consigo voar
Para longe do outrora infinito
Relembra o bom que é sonhar
Ver tudo pelo seu lado bonito.
Esta janela debruçada para a vida
Existe um poema a céu aberto
Um verso que não tem medida
Cabendo nele o futuro incerto.

sábado, 21 de junho de 2014

Sou como...



Eu sou como a chuva do céu a cair
Batendo no chão duro e ressequido
Vivo para que da terra possa sair
O fruto que merece ser colhido.
Eu sou como o copo de vidro
Se cai no chão fica logo desfeito
Vivo neste espírito muito malandro
Sendo humilde e nunca perfeito.
Eu sou como o maior dos rios
Que nasce mesmo sem saber
Vivo os dias em ritmos aleatórios
De forma a nunca mais os esquecer.
Eu sou como o azul do alto mar
Reflectindo a cor do imenso céu
Vivo na intensidade de um olhar
Mesmo que escondido pelo chapéu.
Eu sou como o quente e intenso sol
Iluminando os dias da tua vida
Vivo na volatilidade de um etanol
De modo a que nunca seja esquecida.

quinta-feira, 19 de junho de 2014

Início



Um raio de luz que desponta
Com um brilho do outro mundo
Uma nova história que se conta
Numa volta que dura um segundo.
Cada palavra nova que se ergue
Reflexo de cada queda e trambolhão
Eis que há uma nova que se segue
Vinda bem do fundo do coração.
Cada palavra constrói um edifício
Daquela que pode ser a tua morada
Estamos ainda muito no início
Desta longa e feliz caminhada.
Há um raio de luz que brilha
Bem fundo na minha alma
Do tamanho de uma ervilha
Mais quente do qualquer chama.
Resplandece na imensidão da cor
Iluminando a minha viagem
Afasta de mim toda a dor
Pois a felicidade não é miragem.
Aqui estou eu a começar
Esta viagem de rumo incerto
A luz me irá sempre guiar
No futuro ainda em aberto.

Última Publicação

Caros leitores e amigos

Passados 6 anos de escrita, interrupções e reinvenções, chegou a hora de fechar a Cidade dos Anjos.
Neste espaço tem muito de mim e do que sou e nesta altura quero algo novo na minha vida. Não abandono a escrita, nesse sentido pode ser um até já, mas já não na Cidade dos Anjos. O Blog será encerrado mas não apagado.

Obrigado a todos que me acompanharam neste projecto.
caroteno


quinta-feira, 15 de maio de 2014

Pássaro Livre...



Da pele me estás lentamente a libertar
Mesmo com asas feridas para voar
Eu sei que existe algures um lugar
Uma porta por onde quero entrar

Lugar onde mais ninguém entrou
Atrás da porta estavas barricada
Pelos medos de quem tanto magoou
Tinhas essa porta muito bem fechada

Sou pássaro livre mas de asas feridas
Sentindo-me incapaz de poder voar
De todas as penas que foram perdidas
Levaram as capacidade de poder sonhar

Privado de bem alto poder cantar
Sou pássaro livre que já não voa
Preciso de novamente ficar ser ar
Preciso que me diga que me perdoa!


terça-feira, 13 de maio de 2014

Castelos de Areia



Nos braços das estrelas um dia adormeci
Sob o olhar atento e vigilante da lua cheia
Procurei-te no peito, na pele e entristeci
Pois quiseste partir deste castelo de areia

Percorro agora este caminho solitário
Dele as pedras vou retirando e escolhendo
Não para as guardar dentro do armário
Mas com elas novo castelo vou fazendo

Castelo forte, robusto e também resistente
Para que o passado não o possa fazer cair
Será minha morada de hoje em diante
Onde vou ser feliz e novamente sorrir

Castelo de tons calmos e serenos pintado
Com pinceladas de vermelho da paixão
Sinto-me bem olhando o céu aqui deitado
Simplesmente ouvindo a voz do coração


sexta-feira, 9 de maio de 2014

Morte ao Amor



Abaixo o amor e a paixão
Mate-se o chamado amor
Serve para partir o coração
Trazer a saudade e a dor

Amor que é tão habilidoso
Veste-nos de todas as cores
Parte deixando choroso
Que vive pleno de amores

Morra o amor que faz sofrer
Trás a dor para esta vida
E a vontade de desaparecer

Abaixo o amor que trás a dúvida
Fazendo a vida deixar de correr
Liberta a saudade incontida


segunda-feira, 5 de maio de 2014

Espera...



Enquanto na sombra esperava
Por uma palavra que fosse tua
Via por mim o tempo que passava
Nesta espera ao fundo desta rua

Dar um passo será o mais correto
Qual a direção que devo seguir
Aprendi que nada pode ser certo
No dia que decidiste para longe partir

Enquanto na sombra esperava
Senti as palavras em redor a voar
A longa espera que me inquietava
Sentindo os meus pés a vacilar

Dar um passo seria o mais correto
Dei por mim na tua rua a parar
Eu que nunca fiz nada de certo
Decidi mais uma vez a ti respeitar

Já longa vai toda esta espera
Na vida é preciso ser paciente
O tempo esse é uma grande fera
Que devora o brilho do horizonte



domingo, 4 de maio de 2014

Fica Comigo...



Fica comigo debaixo deste céu estrelado
Vem ocupar o lugar desta imensa dor
Preenche o buraco no meu por ti deixado
Faz de mim de novo um anjo sonhador

Fica comigo e substitui o sol radiante
Trás de novo o brilho do meu olhar
Contigo trás a cor e alegria ausente
Inundando-me do teu feitiço de amar

Encosta teu rosto aqui no meu ombro
Conta-me o teu sonho e teu desejo
Deixa de novo meu coração ao rubro

Numa ousadia roubo-te um doce beijo
Com ele incendiando a plena paixão
Fica aqui comigo e ouve o meu coração




quinta-feira, 1 de maio de 2014

Secaram...



Secaram-se as minhas lágrimas
Ficou o sal e desapareceu a água
Não se extinguiram as chamas
Ficou o amor e não a mágoa

Secaram-se os meus lábios
Esperando um toque dos teus
Fonte de magníficos rios
E origem dos sonhos meus
 
Secaram-se a luz e confiança
Quando o sol parecia brilhar
Com elas não foi a esperança
Ou a eterna vontade de sonhar

Secaram-se as minhas palavras
Guardiãs de toda a saudade
Ficam agora estas olheiras
Que me recordam a felicidade