quarta-feira, 25 de junho de 2014

Poema



A voz da alma adormecida
O encanto da brisa do mar
A essência de toda uma vida
Escrita no poder de rimar.
Por entre as cores pintada
Na folha branca renascido
Conta a história inacabada
Do mistério antes adormecido.
Viajo de novo neste poema
Para lá da linha do horizonte
Dando voz ao poder da alma
Vivendo em pleno o presente.
Nas tuas asas consigo voar
Para longe do outrora infinito
Relembra o bom que é sonhar
Ver tudo pelo seu lado bonito.
Esta janela debruçada para a vida
Existe um poema a céu aberto
Um verso que não tem medida
Cabendo nele o futuro incerto.

Sem comentários: