segunda-feira, 14 de setembro de 2015

(Re)Abro




Hoje estranhamente ou não
Senti uma vontade imensa de escrever
Não proveio apenas do coração
Mas também do facto de gostar de o fazer.
Hoje reabro as portas desta cidade
Deixo que o pó que nela se acumulou se eleve no ar
Com ele tantos sentimentos e tanta saudade
E tão refrescante o ar que nela está a entrar.
Durante muito tempo andei daqui afastado
Caso para dizer que terá sido tempo em excesso
Tinha a alma ferida e o coração magoado
Procurei esconder isso entre as lágrimas, sim eu confesso!
Foi uma viagem à profundeza do meu próprio ser
Não descobri nada que para mim fosse novo
Enfim... caso para dizer que no fundo senti bater
E com ela o rebentar deste profundo desejo.
Hoje abro as janelas desta cidade
Deixo a luz nela novamente entrar
Não sei se com ela regressará a felicidade
Mas não desisto por mais vezes que tenha que tentar!

sábado, 15 de agosto de 2015

Olhar...



Hoje senti um estranho desejo
Abrir de novo as portas da cidade!
Será um motivo de grande festejo
Abrir as portas mas não a saudade!
No cantinho desta cidade
Muito de mim posso encontrar
Tristezas, alegrias e felicidade
Tantas memórias a recordar.
Abro-lhe de novo as portas
Mas não pelo passado
A vida vivo no presente
De olhar fixo no horizonte.
Hoje dormi encantado
Nos segredos do teu olhar
Com o coração desassossegado
Só por em ti estar a pensar!


terça-feira, 24 de março de 2015

Estado(s)...



Local próprio e racionalmente organizado
Cujo governante é a mais pura da emoção
Tantas vezes nos encontramos nesse estado
Ouvem-se muitas vozes sem nenhuma razão

Estes momentos definem estados de alma
Num caminho que ainda não está traçado
Cada passo dado atiça e alimenta a chama
Fazendo arder mesmo o terreno já queimado

Tantas vezes e momentos sentimos a ilusão
De controlar o rumo seguido nessa viagem
As escolhas são fruto simplesmente da ocasião
Todo o controlo não passa de uma miragem.

segunda-feira, 23 de março de 2015

Viajar! Perder países!



Viajar! Perder países!


Viajar! Perder países!
Ser outro constantemente,
Por a alma não ter raízes
De viver de ver somente!

Não pertencer nem a mim!
Ir em frente, ir a seguir
A ausência de ter um fim,
E a ânsia de o conseguir!

Viajar assim é viagem.
Mas faço-o sem ter de meu
Mais que o sonho da passagem.
O resto é só terra e céu.

(de Fernando Pessoa)

sexta-feira, 13 de março de 2015

Esta noite...



Esta noite sonhei contigo
Será que estava mesmo a dormir
Sei que não te posso ter comigo
Alegra-me pensar no teu sorrir

Hoje bem cedo visitei o teu retrato
Porque esta noite sonhei ter-te comigo
Estamos a viver assim distantes
Penso no que se passa aí contigo!
Sinto os olhos levemente a lacrimejar
Fustigados por esta saudades atroz
Os momentos que vivemos juntos
Tudo o que se colocou entre nós!.

Que magnifico que é sonhar
Sonhar não custa mesmo nada
Sonhar e nada mais do que voar
Mesmo quando abrimos os olhos
Que lindo é poder sonhar!


quarta-feira, 11 de março de 2015

Simplesmente lindo...

Não é meu,  mas adorei este poema e por isso publico na língua original.


"I carry your heart with me

I carry your heart with me ( i carry it in
my heart). I am never without it ( anywhere
I go you go, my dear; and whatever is done
by only me is your doing, my darling)
I fear
no fate (for you are my fate, my sweet) I want
no world (for beautiful you are my world, my true)
and it's you are whatever a moon has always meant
and whatever a sun will always sing is you

here is the deepest secret nobody knows
(here is the root of the root and the bud of the bud
and the sky of the sky of a tree called life; which grows
higher than the soul can hope or mind can hide)
and this is the wonder that's keeping the stars apart

I carry your heart ( I carry it in my heart)"

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

A começar



Na vida e o que nela fazemos derrubam-nos e deixam-nos por terra
Mas cabe-nos a nós decidir quando devemos desistir ou levantar
Por mais difícil que venha a ser a jornada 
Será sempre uma vitória tudo fazer para alcançar o seu fim!

domingo, 8 de fevereiro de 2015

Feliz


E lembrem-se, 
A vida não é feita dos momentos em que respiramos
Mas sim dos momentos que nos deixam sem fôlego...

terça-feira, 27 de janeiro de 2015

O Olhar...



O olhar é o gesto mais puro e honesto.
Honesto porque não pode ser fingido.
Fingido, mentido nunca seria possível.
Possível que nos possa talvez enganar.
Enganar por nele querermos muito ver.
Ver a mais profunda beleza do olhar.

Hoje foi um dia em que também aprendi.
Aprendi esta nova forma de escrever.
Escrever a beleza dos pensamentos.
Pensamentos que nunca podem ser calados.
Calados deixam de fazer parte de nós.
Nós que nunca existimos, isso sei hoje.

Palavras que ecoam no profundo olhar.
Olhar que nele recebe o esplendor do mar.
Mar que leva para longe as memórias.
Memórias que são aprendizagem.
Aprendizagem que nos enriquece.
Enriquece na pureza de todas as palavras.

domingo, 25 de janeiro de 2015

Reinvento-me...


Quando certo dia te conheci
Todo o meu mundo se abalou
O sonho de viver em ti encarnou
E de sofrer eu me esqueci.

Dizias-te preparada para viver
Mas apenas se fosse plenamente
Disse-te que esse era o meu ser
Tudo o que queria no meu horizonte.

Do fogo e chamas da paixão
Restam as cinzas espalhadas
Por entre as feridas fechadas
Deste pobre mas eterno coração.

Seria errado assim querer amar
Dei por mim entre os dias a pensar
Pensei mesmo que estaria errado
E que tudo poderia ser apagado.

A felicidade plena permanece
A dor profunda não se esquece
Assim é amar intensamente
Ou se quiserem loucamente.

Não quero uma forma leve de amar
Quero a intensidade dos momentos
A partilha da linha de pensamentos
De uma forma que não se possa explicar.

Quero o sabor e o perfume da vida
Com um pitada da sua profunda dor
Sem a qual se esquece o imenso amor
E a saudade jamais será sentida.

Por isso não me preciso reinventar
Apenas deixar que a vida possa fluir
Para que no presente possa sentir
A intensidade do viver e amar.

quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

Pizza...



      Hoje enquanto observava a pizza a rodar no microondas uma metáfora começou a girar no meu pensamento.
      Nós somos uma pizza, onde a nossa essência é a base. Nela está tudo o que somos e é ela que suporta toda a nossa vida. Podemos vir a passar por fases da vida onde somos muitos tipos de pizzas, com muitos ingredientes que adicionamos. Azeitonas, cogumelos, fiambre, bacon, camarão, atum, carne picada... tantos e tantos ingredientes que na nossa vida passam a fazer parte de nós. Mas como os aguentamos em nós!!!? O Segredo está no queijo que se derrete e ajuda a dar consistência e segurança a todos os ingredientes.
       Mas como nenhuma pizza fica completa sem um toque mágico, a nossa vida também só fica perfeita com o toque dos óregãos... quem ou o quê é o óregão da tua vida?!! Esse é o mistério que só tu podes desvendar...