domingo, 25 de janeiro de 2015

Reinvento-me...


Quando certo dia te conheci
Todo o meu mundo se abalou
O sonho de viver em ti encarnou
E de sofrer eu me esqueci.

Dizias-te preparada para viver
Mas apenas se fosse plenamente
Disse-te que esse era o meu ser
Tudo o que queria no meu horizonte.

Do fogo e chamas da paixão
Restam as cinzas espalhadas
Por entre as feridas fechadas
Deste pobre mas eterno coração.

Seria errado assim querer amar
Dei por mim entre os dias a pensar
Pensei mesmo que estaria errado
E que tudo poderia ser apagado.

A felicidade plena permanece
A dor profunda não se esquece
Assim é amar intensamente
Ou se quiserem loucamente.

Não quero uma forma leve de amar
Quero a intensidade dos momentos
A partilha da linha de pensamentos
De uma forma que não se possa explicar.

Quero o sabor e o perfume da vida
Com um pitada da sua profunda dor
Sem a qual se esquece o imenso amor
E a saudade jamais será sentida.

Por isso não me preciso reinventar
Apenas deixar que a vida possa fluir
Para que no presente possa sentir
A intensidade do viver e amar.

Sem comentários: